Pular para o conteúdo principal

ANSIEDADE SOMATIZADA, ANSIEDADE CRISTALIZADA

Dizemos que um distúrbio físico é uma somatização quando está vinculado à falta de uma causa orgânica ou a uma reação mais intensa da esperada diante do distúrbio. Chama-se orgânico o sintoma que pode ser referido a algo visível (mesmo que microscopicamente) e mensurável (por exemplo, num exame de sangue). Chama-se “psicógeno” o sintoma que não é determinado por causas orgânicas ou que a pessoa sente de forma amplificada e mais intensa.

Na “somatização” as sensações são autênticas e mesmo intensas, mas o meccanismo nasce no sistema nervoso central e se associa frequentemente a ansiedade ou depressão.

Estamos acostumados a considerar a ansiedade como um fenômeno exclusivamente psíquico mas a prática clínica mostra que frequentemente o malestar não se manifesta no plano mental, na forma de pensamento ou de sensação psicológica, mas toma o caminho do corpo, o qual “entra em ansiedade”, produzindo desconfortos e sofrimentos sem qualquer patologia física que justifiqui sua existência ou intensidade. Nesse caso, dizemos que a ansiedade não é consciente mas inconsciente. Permaneceu por baixo da nível da consciência. Pode acontecer tanto que a pessoa não se deu conta de estar ansiosa, ou se acostumou de tal maneira que não percebe a ansiedade como um problema mas como algo “normal” e assim empurrou para fora do campo da consciência essa percepção.

Entretanto, que estejamos conscientes ou não da ansiedade, ela constinua agindo e se manifesta como sintoma físico. Em ambos os casos, ela representa uma campainha de alarme que denuncia que algo está mantendo o organismo da pessoa (mente e corpo) em situação de estresse e de desconforto. É muito comu que a origem das somatizações da ansiedade se encontre nas situações da vida relacional ou profissional, mas também no mundo interior da pessoa e suas vivências mais íntimas.

Toda função e órgão podem ser afetados pela ansiedade. Há muita variedade subjetiva nas manifestações, cada um de nós é único e reage de forma única às situações, entretanto a ansiedade acomete a todos e cuidar dela é indispensável para uma vida saudável e harmoniosa.

Eis algums dos sintomas mais frequentes associados à ansiedade:

- Neuromuscular: formigamento, rigidez e dores musculares; parálise; fraqueza; tremores; tonturas e vertigens; dores de cabeça e sensação de cabeça confusa ou ter um círculo em volta da cabeça.
- Respiratórios: falta de ar e respiração curta; sensação de sufocamento; sensação de peso no tórax.
- Dermatológicos: suor excessivo; erupções cutâneas e avermelhamento tipo hurticária.
- Cardiovasculares: palpitações e taquicardia; hipertensão; peso no peito; sensação de desmaio.
- Gastrointestinais: dores viscerais difusas; gastrite e refluxo; nausea; falta de apetite; digestão difícil e lenta; diarréia; cólon irritável.
- Urogenitais: vontade frequente de urinar ou urgência de urinar (bexiga nervosa); dores pélvicas difusas ou localizada nos genitais.

Quando não tratados os disúrbios da ansiedade são acompanhados com frequências por sintomas depressivos, a ansiedade se torna mais um elemento de estresse promovendo a sensação geral de desânimo e desesperança.

Qualquer terapia médica que aborde a ansiedade deve ser acompanhada por uma terapia psicológica adequada que esteja voltada a resolver o sintoma da dor enquanto promove uma nova forma de considerar e perceber as mensagens do corpo, ajudando a pessoa e  interpretar, reconnhecer e enfrentar as situções emocionais que mais provocam sua ansiedade.

Passar a uma nova concepção da relação mente-corpo significa abrir-se para o nosso ser mais profundo e suas mensagens, as quais estão sempre todas voltadas a criar mais harmonia e bem estar para o organismo inteiro (a pessoa como um todo). A ansiedade bloqueia o movimento, quando somatizada nos paraliza em sintomas de todo tipo. Aprendendo a lidar com ela, “fluidificamos” essas cristalizações e ganhamos energia.

Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…