Pular para o conteúdo principal

MEDITAÇÃO PARA UM NOVO COMEÇO

Eis que termina mais um ano. Vamos fazer uma metidação. Parem tudo por cinco minutos. Sentem num lugar tranquilo, relaxem. Se certifiquem que os celulares estão desligados e que ninguém poderá interferir em seu espaço energético por cinco minutinhos.

Agora, se imaginem entrando num belo jardim. A grama é verde e perfumada, há muitas flores coloridas em volta, o céu está azul e lá, mais para frente, está uma árvore, grande e frondosa. Dirijam-se para para ela e se sentem sob seus galhos. Olhem para o alto, além das folhas, o céu azul. Observem as núvens, seu movimento lento, impessoal e suave.

Revisitem então o ano que está terminando. O que aconteceu? Muitas coisas com certezas, algumas repetidas, conhecidas, cansativas. Outras novas, diferentes, desafiadoras ou encantadoras. Com os olhos da mente, foquem em cada uma delas, sem se deixar levar por sentimentos, tantos de prazer como de dor, somente olhem, prestem atenção. Deixem que os eventos falem com vocês.

Em seguida, visualizem em suas mentes o novo ano começando. 2017 está aí, em sua frente. O que vêem nele? O que gostariam de ver?

Finalmente, foquem seus sentimentos, suas pessoas após anos de luta, de busca, de conquistas e sonhos. Quem se tornaram? Gostam do que vêem? E agora, projetem-se adiante no tempo e permitam que sua voz mais profunda se expresse. O que aparece no cenário imaginário de 2017?

Agora só falta você. Você alcançar seus desejos, materializar os projetos, abrir os caminhos. Mas antes, é preciso fechar as portas de 2016, deixar uma parte da bagagem, arejar a casa interior e abrir espaço para novas coisas aparecerem. Dirigindo seu pensamento para o que deseja, você atrairá o que está neles. Pensando corretamente você realizará seus sonhos. Enfrentando os inevitáveis desafios do caminho, você ganhará a força e a determinação necessárias para criar o futuro. Tudo é processo, tudo é crescimento. Nos cabe parar para refletir sobre nós, nossa trajetória e o que queremos ser. É como o artista que se afasta um pouco da obra para observá-la e conferir como está indo.

A virada do novo ano é um moderno rito de passagem. Ritos de passagem servem para demarcar uma transição, passa-se de uma condição para a outra, de um estágio da vida para outro. O reveillon é um resquício do que antigamente era  parte da vida normal de todas as pessoas, algo muito valorizado e respeitado. É a pausa entre dois tempos, o que dá o ritmo ao passo, a introversão antes do novo ciclo de expansão. A vida é feita de momentos e de passagens, reconhecê-los ajuda a psique a se recompor, a fazer a necessária revisão do antigo para a chegada do novo.

Espansão é a palavra chave da vida. Expandir os conhecimentos, fazer experiências e ampliar a percepção. Do futuro nada podemos saber com certeza. Mas uma certeza devemos manter conosco: a certeza de que qualquer coisa acontecer, iremos transformar o que for em novos conhecimentos e lições, confiar em nosso taco e manter acesa aquela luz milagrosa chamada consciência.

Um Feliz Ano Novo a todos!


Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…