Pular para o conteúdo principal

AUTO ESTIMA E AUTO CONFIANÇA

Imagine que você tem uma pedra preciosa, não sabe quanto vale e busca um especialista para estimar o valor da pedra: é realmente preciosa? Semipreciosa? Uma simples pedra de rio disfarçada de raridade? O que realmente é? O especialista lhe dá o verdicto e você volta satisfeito ou não para sua casa. Alguém lhe deu a resposta. Você a acatou e não tem mais nada a dizer a respeito. Assunto fechado.

Com pessoas é um pouco mais complicado. Quem pode avaliar nossa qualidade? Quem pode estimar nossa essência como indivíduos, nossa identidade e emitir um valor? Quem? Nossos pais... Infelizmente, sim, começa (nessa vida pelo menos) com eles...

Mas o problema com esse método é que quem recebe tamanho poder pode usá-lo mal (até sem querer) e fazer de nós o que quiser (até sem perceber conscientemente), pois dependeremos dele ou dela para nos sentirmos “valorizados”. E isso é assunto sério.

Na ausência, muitas vezes, de verdadeira autoestima, voltamos nossa atenção para o trabalho, lá podemos realizar coisas e alcançar sucesso ou dinheiro pelo menos, que vão nos dar a impressão de termos valor, e sobretudo os outros vão pensar assim de nós. Mas que inventou o ditado que dinheiro não traz a felicidade sabia de algo que todos acabam descobrindo mais cedo ou mais tarde. Com dinheiro não se pode comprar as coisas mais importantes de nossas vidas, como amor, amigos, simpatia, sinceridade, filhos e esposa ou marido. O dinheiro sobretudo não compra a estima que temos ou não de nós mesmos.

Ter sucesso na vida é importante, faz bem não só para o ego, como é de fato uma realização de si, uma demonstração de sermos capazes – sobretudo quando o sucesso está ligado a fazer algo de bom para o mundo e não só para si mesmos. Mas para isso é preciso autoconfiança. Pode-se ter esta sem ter autoestima.

Autoconfiança é dizer: eu sou capaz. Yes, I can. Consigo fazer isso, consigo vencer os obstáculos, consigo ter disciplina e chegar lá.

Autoestima quer dizer: tenho valor e por isso sou amável. Mereço amor, consideração, atenção. Mereço receber. Mereço ser amado.

São duas coisas muito diferentes, apesar de fazerem parte da mesma questão interna da relação positiva ou negativa consigo próprios. Eu preciso de autoconfiança para me jogar no mundo, conquistar lugares e conhecimento. Eu preciso de autoestima para ter relacionamentos afetivos saudáveis, amorosos, construtivos.

Por isso, encontramos tantas pessoas que apesar de serem ótimas em suas profissões não conseguem receber amor, se sentem (e são) sós e se jogam constantemente na multidão para se esquecer de si. Encontramos mulheres que vivem fazendo de tudo para os outros e que não se dão o direito de um espaço e momento para si dentro da casa. E homens que, mesmo esgotados de trabalho, mimam a esposa para manter a ilusão de ter um relacionamento. 

Para melhorar sua autoestima comece refletindo sobre isso tudo e tendo a coragem de encarar a sua própria baixa autoestima. Se não reconhecemos um problema não temos como resolvê-lo, certo? Em seguida, observe seus comportamentos e as frases que fala por aí sem querer e que traem sua baixa autoestima. Observe, reflita. Encare. O que acha? Como gostaria de mudar sua frase ou seu comportamento? Conheça-se e se pergunte o que deseja. Então, conforme as respostas forem chegando vá quebrando seus padrões, vá pondo em prática um novo comportamento, uma nova frase. Vá se permitindo.

Ter boa autoestima não é ser egoístas e não pensar nos outros, é contabilizar a si próprio quando pensa nos outros, é incluir suas necessidades, inclusive de carinho. Boa autoestima é ser gentil consigo. É tratar-se bem.


Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, WhatsApp, telefone. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…