Pular para o conteúdo principal

COMO ME AMAR?

Perguntaram-me “Como me tratar bem, como me sentir merecedora? Uma coisa é tomar consciência; outra é conseguir mudar isso.” Grande pergunta, mas minha psicologia é tudo menos um “how to”. Uma pergunta dessas me deixa perplexa porque não tenho receitas.

Como se faz para se amar?

Diria que, em primeiro lugar, é preciso tomar consciência de nosso não-amor para conosco. Sem saber onde está o problema e quando ocorre não tem como consertá-lo. Então, primeiro passo: tomar consciência do problema.

Já isso é um desafio. A maior parte das pessoas não têm coragem de encarar o desamor que sentem por si mesmas e muitas delas estão tão acostumadas a se maltratar que não questionam, só sofrem. No nosso caso, temos alguém que já sabe que precisa aprender a se amar. Então, começa-se passando da tomada de consciência geral para as tomadas de consciências “particulares”: aprender a estar presentes a si próprios e perceber quando a falta de amor acontece.

Tomar consciência “em geral” não é uma tomada de consciência completa: falta a encarnação diária da nova consciência. É como um novo par de óculos. Esse novo olhar precisa re-enxergar a realidade, precisa-se aplicar a nova ótica. Por isso: preste atenção em si, no que faz, no que fala e responde, em suas escolhas. Observa-se e anote onde e quando o desamor acontece.

Em segundo lugar, olhe para o que descobriu. Olhe-o, sem julgamentos. Como isso é difícil! Percebo que as pessoas não sabem o valor do auto-conhecimento, que nada tem a ver com moral e julgamento. Auto-conhecimento é saber olhar para o que é. Ninguém escolhe não se amar. Portanto, não faz sentido se julgar por causa disso. O comportamento correto é se surpreender (apesar da vergonha que também dá).

Se você não se surpreender, se pergunte por quê? Candidamente: por que?

Pode surgir uma lista de “culpas” e “fracassos”. Ou não. Pode também não haver resposta, interessante, não? Se aparecerem motivos para o desamor, estes precisam ser analisados, objetivamente. Se não... de onde vem o desamor? Busque o fio da meada e irá começar uma viagem ao contrário. Às vezes não se encontra nada, ou assim parece, outras sim. Na verdade, há sempre alguma origem, é que nem sempre está acessível à memória ou à nossa consciência no nível em que está.

Mas o fato é que ao fazer esse percurso e a tomar esse tipo de atitude consigo mesmos, o foco do desamor vai deslizando, saindo da atuação automática para a dúvida e sobretudo para sua reavaliação. E nisso irá se dissolvendo.

A tomada de consciência tem efeitos milagrosos, muito mais poderosos do que o aprender de cor uma suposta receita da felicidade. Ao tomar consciência do desamor, nos “desgrudamos” de sua implementação automática, que é cega. Ao questioná-lo lucidamente já entramos em outro patamar, já estamos nos tratando bem. Já estamos criando uma nova relação conosco, um novo olhar que parte de novos pressupostos. E aí percebemos que aquele desamor vem de um olhar sobre nós estranho, esquisito... questionável.

Pode haver algo que precisamos resolver antes de nos amarmos. Se nossa consciência não está em paz não há truques que funcionem. Encare então o que precisa ser encarado. Se não houver nada para resolver, então é repetição de um padrão de relacionamento consigo que foi adquirido num passado, longíquo ou remoto (nunca recente) que precisa ser mudado. Você pode mudá-lo.

Comece dando atenção a si mesmo, conheça-se. Não viva seu dia-a-dia e sua pessoa como fossem um dado adquirido, mas como se fossem uma caixinha de surpresas que lhe cabe desvendar. Você é seu próprio cuidador, sua mãe e seu pai.


Adriana Tanese Nogueira 

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, WhatsApp, telefone. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…