Pular para o conteúdo principal

NEM TODOS GOSTAM DE VOCÊ, E DAÍ?

Todos queremos amor. Amor se expressa na união. Em família, entre amigos, com o/a esposo/a, com os colegas. É da natureza humana querer estarmos juntos. Para que isso aconteça, porém é preciso que gostemos e sobretudo sejamos gostados. Assim como buscamos a união, buscamos ardorosamente ser amados, aceitos, gostados pelos outros. E aqui começam os problemas.

Nem todos gostam da gente, assim como nem de todos nós gostamos. Por mais esforços que façamos, não é possível gostar de todo mundo. Somente pela hipocrisia conseguimos fingir uma simpatia e interesse que não temos. O que interefere é nossa diversidade. Somos diferentes uns dos outros, e não só nas coisas mais simples, como diferentes gostos de comida ou torcida de time, somos diferentes nas escolhas de vida, na visão de mundo, na ética e prioridades. É aqui que os problemas se fazem mais dolorosos.

Muitos confundem união com fechar os olhos, outros confundem ser a si mesmos como isolar-se e “mandar todos àquele lugar”. Todos sofrem. Não temos como estarmos bem com os outros sem antes estarmos bem conosco, precisamos sentir um mínimo de coerência e integridade interior, porque viver na hipocrisia não se sustenta por muito tempo. Por outro lado, o rancor que o não se sentir aceitos produz machuca a alma de cada um.

A solução para esse dilema muito humano começa por um processo interior de se aceitar. Naturalmente a aceitação do outro vem primeiro, pois tudo começou lá na primeiríssima infância, quando a aceitação dos pais era indispensável e o primeiro passo para todos os outros na vida. nem sempre aquele primeiro passo foi dado, como se diz, como o pé direito. Mas qualquer que tenha sido nossa história pregressa, uma certa hora o problema é nosso. Todos nos defrontamos com a questão de nos aceitarmos, ou seja, precisamente: aceitarmos como diferentes dos outros. Aceitar nossa diferença, nossos desafios, nossas dores, nossa sensibilidade, nossa angústia, nossos anseios, nossas vozes internas que não calam, nunca. Aceitar-se e somente então começarmos a nos amar.

Está aqui o fundamento da real possibilidade de conviver pacificamente com os outros. Aceitar-se e amar-se faz toda a diferença. Somente nessa condição é possível aceitar o não amor do outro, a não preferência do outro. Somente assim é possível “viver e deixar viver”. Sem precisar de hipocrisia.

Se trata de um gigantesco passo ético e responsável de cada indivíduo e do grupo como um todo. Muitos dos conflitos familiares e sociais nascem justamente porque uma pessoa não se sente aceita. A dor da rejeição escala numa angústia interna que se torna insuportável e leva a medidas drásticas que não resolvem de fato nada, só aprofundam a ferida. E todos sofremos.

Frequentemente, a situação é mais fácil de se consertar do que parece, mas a dor tende a nublar a visão, rende cegos. A ferida precisa ser curada e isso ocorre quando, após o primeiro passo dito acima, nos comprometemos na criação de uma dimensão de unidade na qual o diferente seja realmente possível, na qual não precisamos nos sentir amados por todos. Na verdade, que algumas pessoas não gostem da gente é um sinal de que estamos no caminho certo! No nosso. O importante é respeitar-se e aceitar que há uma variedade enorme de possibilidades de ser, e sobretudo de sentir e interpretar o mundo.


Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…