Pular para o conteúdo principal

SER PAIS PODE SER MAIS SIMPLES DO QUE PARECE

Criar filhos não é mais uma coisa “óbvia” e “natural”; ao contrário, um dos maiores desafios atuais é a educação dos filhos. Vemos, por todo lado, inúmeras dificuldades com as crianças e das crianças. Vivemos num mundo que exige demais delas e de seus pais, um mundo em constante e rápida mudança, que concede pouco tempo para as relações ou mesmo para si mesmos. Na roda-vida diária as crianças hão de crescer e de “se comportar”. Queremos crianças comportadas que não incomodem ou felizes e criativas? Haverá uma “fórmula” para termos ambas?
Podemos começar com refletir um momento sobre um autor interessante que trabalha com crianças e adolescentes há décadas e que tem uma visão mais sutil e profunda das correntes tradicionais comportamentais e regulatórias que encontramos tão facilmente em escolas e consultórios psicológicos da main stream.
Kim John Payne, consultor para escolas, educador de adultos e pesquisador, dá voz ao sentimento coletivo de que há algo errado com esse excesso de estímulos e “coisas” e “compromissos” que temos e damos às crianças. Será por um acaso que ele mora com sua esposa e dois filhos numa fazenda no Hampshire? Como educador ele tem dois objetivos: por um lado ajudar os pais a implementar valores e princípios tidos como  referência, por outro fortalecer e aprofundar os vínculos. O resultado é: famílias resilientes e alegria genuina correndo pelas veias de todos.
Payne é o autor do best seller Simplicity Parenting. Using the Extraordinary Power of Less to Raise Calmer, Happier and More Secure Kid, publicado pela Random House Penguin em 2009. Nesse livro, ele oferece um caminho praticável e efetivo para simplificar quatro áreas da vida familiar com o objetivo de reduzir o estresss nas crianças e nos pais, dando espaço para mais relação, criatividade e relaxamento.
As quatro áreas a serem simplificadas são:
1. O ambiente físico: esvaziar as casas. Casas lotadas de objetos, móveis e coisas estressam. Casas não são depósitos, precisam conter o essencial para a vida de seus habitantes. Nada demais.
2. Ritmo: aumentar a previsibilidade introduzindo momentos rítmicos para conexão e calma. São os famosos rituais: passar de uma atividade para a outra via transições repetidas e suaves (nada de mecânico e artificial) que marquem a passagem e literalmente introduzam o momento seguinte com seu novo estado de espírito e perspectiva.
3. Programação: aleviar as programações que ele chama de “violentas”, termo forte que aponta para o efeito violento na alma das crianças, seres em desenvolvimento que acabam vezes demais por não terem tempo por respirar e se localizar entre uma atividade e a outra. Colocar o Ser acima do Fazer.
4. Desligar: reduzir a influência das preocupações dos adultos, da mídia e do consumismo sobre crianças e famílias para aumentar sua resiliência e inteligência social e emocional.
Payne garante que dando passos nessa direção, que é a de literalmente simplificar o espaço físico, emocional e mental de casas e famílias, as crianças serão mais calmas e felizes, serão mais capacidade de se inserir de forma positiva no social, terão mais concentração na escola, serão mais obedientes em casa e terão menos problemas com alimentação.
Obviamente, isso exercitará uma reação boomerang positiva sobre seus pais que terão mais claro o que querem como pais, estarão mais unidos entre si e disporão de mais energia para a construção do vínculo, de momentos de relaxamento e diversão.
Para os interessados, John Payne estará em Delray Beach dando a palestra "Exclusion: So Hurtful, So Subtle" no dia 20 de janeiro, no  Duncan Center – Chapel, na 15820 Military Trail. Nos vemos lá!

Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, por telefone, Facebook. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…