Pular para o conteúdo principal

A CRIANÇA DIFÍCIL

Consideramos uma criança difícil quando não responde aos nossos pedidos ou conversas. Ela reage de formas agressivas, se opondo ao que queremos, perturbando o ambiente, falando alto demais ou mostrando excessiva agitação. Diante desta criança, o adulto, pai e professora, geralmente não sabe o que fazer. Há uma dificuldade de até mesmo “acessar” a criança, ser por ela ouvidos. Castigos podem ser completamento inúteis e só aumentar na verdade o comportamento negativo.

Uma criança difícil é uma pessoa presa em sua própria teia emocional interna que a sufoca em dor, frustração e medos que ela não sabe expressar. Faltam-lhe palavras, mas antes mesmo dessas, faltam-me meios para compreender o que está acontecendo com ela.

Algo a está impedindo de viver sua vida plena, de crescer, explorar o mundo, conhecer a si própria, seus talentos, tendências, preferências, e aos outros à sua volta. Algo está bloqueando seu desenvolvimento e ela está desesperada. Sente-se amarrada.

Pré-condições para lidar com uma criança difícil:

1. Como diante de qualquer tarefa empenhativa, o primeiro passo é aceitar que com este filho, este aluno, será necessário ter mais paciência e se esforçar para decodificar sua personalidade.

2. Não cair na própria armadilha dos sentimentos de culpa. Não olhar para a situação em termos de culpa: de quem é a culpa? Minha ou da criança? Ou dois dois? Deixemos a culpa de lado, pois esta não ajuda a resolver problema nenhum.

3. Tenhamos coragem porém para questionar-nos a fim de encontrar a melhor postura e atitude para lidar com a criança, porque se ela não nos escuta, evidentemente o que temos feito e falada não funciona.

4. A criança difícil em nossa vida nos coloca um desafio: se ela está lá é porque tem a ver conosco, com nossa história e necessidade de crescimento. Abracemos o desafio, estejamos dispostos a mudar algo em nós. Vamos?

Passos para lidar com uma criança difícil:

1. Desista por um momento de qualquer exigência. É preciso começar de novo. Pause as cobranças por um instante.

2. Observe a criança: quando está mais irritada? Quando está mais tranquila? Observe como ela fica, quais reações principais tem nesses momentos.

3. Preste atenção no que aconteceu antes desses momentos (positivos e negativos). Busque o gatilho que os desparou. Pode ser uma situação no ambiente, mesmo indireta. Por ambiente se entende tanto o físico como o humano. Portanto é preciso atentar também para como estão as pessoas em volta da criança, em particular você. Se você for a mãe ou o pai, sua influência é poderosíssima. Mesmo o que não falar ou agir pode se refletir na criança.

4. Se nada disso for o caso, quais são os meios que a criança precisa para ser acalmada? Tente perguntar a ela do que ela precisa. Qualquer que seja a resposta. O que ela quer naquele momento? O objetivo aqui é dublo: por um lado, oferecer uma válvula de escape, por outro, dar à criança a oportunidade de expressar (e se conscientizar de) sua necessidade.

5. Outra pergunta importante é: O que eu posso fazer por você? O que você quer que eu faça? Mais uma oportunidade para a criança se expressar e estabelecer uma relação. A partir de sua resposta é possível começar um dialogo. Não necessariamente o adulto tem que fazer o que a criança quer, mas pelo menos temos aqui um ponto de partida.

Enquanto todos esses passos são dados, o adulto deve constantemente prestar atenção no que sente e em como se sente. Fingir estar bem, não funciona. Fazer o que não se quer, também. As crianças sentem nossa verdade interior e respondem a ela.

Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, WhatsApp, telefone. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…