Pular para o conteúdo principal

AS PESSOAS SOFREM POR FALTA DE AMOR

Quantas curtidas teve seu post? Quantos likes tem sua página? Quantos amigos tem? Tem namorado/a?

Qual é a medida do ser amado?

Vivemos numa época estranha: mais no que nunca o que conta é ser visto, notado e reconhecido. Facilmente se confunde a quantidade de amigos e curtidas com o amor do qual se sente vertiginosamente falta.

Este amor é, porém, desta forma inalcançável.

Quanto mais olharmos para fora de nós em busca de confirmação mais denunciamos a nós mesmos e ao mundo que não gostamos de nós, que precisamos da aprovação do outro para nos aprovar, para acharmos que somos pessoas legais.

Essa busca pela validação externa nos coloca numa posição desconfortável nos levando até o limite da prostituição da alma: você topa tudo, segue a onda.

Mais você fizer isso, menos individualidade terá, menos cabeça poderá usar e mais não-amado irá se sentir no fundo da alma.

É preciso nos perguntar o que é que em nós queremos que seja amado. Afinal das contas, o que é que nos faz realmente sentir que somos amados? Esta é a verdadeira pergunta, a que interessa. Só os bobos não se dão conta que são “amados” somente porque compactuaram com qualquer que seja o pensamento e o comportamento dominantes, o vestido, a maquiagem, as escolhas de seu grupo de referência. Isso pode fazer sentir aceitos, não necessariamente amados, se não todos os que vestem farda haveriam se se sentir imensamente amados por pertencer a tão grande e socialmente valorizado grupo como o dos militares!

Então, o que é que, em nós, precisamos que seja amado para que de fato possamos sentir que há amor pela nossa pessoa?

A resposta é: nossa individualidade. Exatamente o que nos torna diferentes dos outros, únicos.

É por isso que quanto mais tentamos nos igualar para conseguirmos likes e amigos mais nos sentiremos só.

Segue a segunda pergunta: você se ama naquilo que o torna diferente e que provavelmente causou-lhe atritos e desentendimento com seus pais e familiares?

Se você conseguir amar esta pessoa é possível que encontre aqueles que lhe pertencem, que são de fato seu grupo. E nesse caso, a qualidade irá substituir a quantidade.

Mas a esse lugar não é fácil de se chegar porque o desamor pelo diferente em nós, que corresponde muitas vezes à essência mais íntima do que somos, foi instalado na nossa infância. Pois é, tudo volta lá. As origens são importantes. É porque nossos pais foram incapazes, por “n” razões, de acolher a nossa originalidade, o nosso diferencial é que nós aprendemos a fazer o mesmo.

Cada um de nós é um desafio para seus pais. Para acolher esse desafio os pais deveriam ter autoconhecimento e disponbilidade de mudar, de ser desafiados justamente. Sabemos que pouquíssimos pais têm essa disponibilidade, a maioria reprime o desafio que o filho representa porque lhe é desconfortável – e esse movimento é geralmente inconsciente, até porque nenhum pai e mãe gosta de se sentir “malvado” com seu filho.

O que podemos fazer uma vez adultos e já “prejudicados” pelo passado?

Precisamos quebrar o paradigma que nossos pais nos deram: questionando todos os julgamentos negativos que temos a respeito de nós mesmos! Questionando a atitude que adotamos com os nossos sentimentos mais íntimos, com as nossas necessidades e verdades. Questione! Acorde do transe.

Autoconhecimento é a chave: entender por que somos do jeito que somos nos permite mudar o jeito que somos. Mas não mudar de acordo com um código de normas, mas de acordo com o que realmente somos, como nossas exigências profundas, com nosso verdadeiro Eu.

Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, WhatsApp, telefone. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…