Pular para o conteúdo principal

O KARMA FAMILIAR E NOSSO PAPEL

Na terapia de regressão elaborada por Roger Woolger (Deep Memory Process), após a morte a alma gravitará para o sistema energético que corresponde àquele no qual morreu. Vamos explicar: ao término de uma vida, os últimos momentos representam como que uma condensação de toda a vida, uma síntese energética do aprendizado e das questões não resolvidas. Com síntese energética quero dizer concretamente: emoções, pensamentos, sentimentos, sensações físicas (por exemplo, todos os tipos de desconforto físico que podem surgir no final da vida). Esses aspectos formam um “sistema energético”: vibrações, energia de uma certa qualidade.

Essa qualidade energética irá gravitar para o que lhe é parecido. Pessoas preocupadas com dinheiro e sobrevivência, comida, culpa, raiva, irão gravitar para um ambiente familiar que carregue padrões semelhantes. Isso tudo pode gerar aquela sensação que muitos têm na adolescência de se sentirem “sufocados” pela família, presos à ela, amarrados e impossibilitados a se expressar, ser e fazer seu caminho.

Como os mais velhos sabem, fugir da família aos 18 anos não resolve o problema, o reencontramos mais tarde na vida. Aquela família nos pertence e nós pertencemos a ela: todos partilhamos um padrão (entre vários e em meio às diferenças pessoais) que precisamos quebrar. Os padrões kármicos são mais de um, cada filho carrega um ou um aspecto de um, como se pode observar ao analisar a personalidade de cada filho e a realidade psico-emocional-espiritual dos pais no momento de sua concepção.

A tendência natural do ser é o desenvolvimento livre e pleno. Para conseguir isso, é preciso romper com o karma familiar que herdamos. E, repito, o herdamos porque tem a ver com nossa história de alma e não simplesmente porque nascemos daqueles pais. Temos que compreender esse processo como um grande aprendizado coletivo no qual ser pais ou filhos é simplesmente circunstancial. Cada um tem sua história de alma, com feridas e necessidades. Às vezes para realizar um talento é preciso antes quebrar um padrão repetitivo e é por isso que nascemos numa determinada família: para viver e enxergar de perto esse padrão a fim de rompê-lo e assim realizar o que temos a dar e a ser nesse mundo.

Como se quebra o padrão repetitivo? Pelo auto-conhecimento.

Precisamos nos entender no lugar de ficar batendo a cabeça contra as paredes até encontrar uma que quebre (antes de quebrarmos a cabeça!) e nos deixe passar. Não se aprende a usar um computador apertando todas as teclas até acontecer o que desejamos: temos que compreender seu funcionamento. 

Algumas perguntas de orientação: Qual é sua característica na família em que nasceu? O que dizem de você? Como é visto? Como se vê? Indague seu nascimento, quem eram seus pais naquela época? O que acontecia? Observe como sua família o faz sentir, como está sua autoestima? O que mais o prende? Do que tentou se libertar até hoje?

Em seguida, foque no que quer para si, onde quer chegar que não consegue ou está difícil? Como queria ser visto e reconhecido? Suas dores mais íntimas dizem respeito ao quê?

Enfim: Qual é seu mais íntimo desafio? O que está sendo chamado a superar?
Esta reflexão é muito importante para os pais, começando pelas mães que são geralmente as mais sensíveis e as que mais ficam com os filhos: é super essencial entender que o que nós não resolvemos o passamos adianteaos nossos amados filhos. Não tem escapatóia. 

Um karma é como uma repetição cega da mesma coisa, não tem consciência e intenção. É bestial, estúpida e poderosa. O único jeito de romper o círculo vicioso é pelo seu trabalho interior de libertação e transformação.

Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, WhatsApp, telefone. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …