Pular para o conteúdo principal

CRIANÇAS E TAREFAS DOMÉSTICAS

Descobri que as crianças podiam fazer tarefas domésticas quando tinha cerca de 10 anos. Morava na Itália, em Milão, e nossos vizinhos de apartamento, num bairro de classe média-baixa, tinham dois filhos, uma menina de 7 anos e seu irmão de 5. Lembro do dia em que estava na varanda, ao lado da delas e devo ter visto ou ouvido alguma coisa. Foi uma revelação! Refleti, admirada, sobre o fato que ambos faziam sua cama, ambos, incluindo o menino de 5 anos! Aquilo ficou gravado na minha mente.

Naquela época eu não fazia nada em casa, e muito menos meus irmãos de um e três anos mais novos. Repensando hoje acho triste. Mas entendo o porque daquilo. Minha mãe nasceu no sul da Itália, numa família pobre e por isso rigidíssima em termos de trabalho: era labuta cotidiana, sem piar. Acredito que ela não quisesse o mesmo para nós, afinal ela foi quase uma escrava, trabalhando sem folga pelo simples objetivo de contribuir para a existência e manutenção da família. Meu pai vinha de uma família de bens, do interior de São Paulo, onde casa e comida estavam sob os cuidados de uma empregada, como é esperado numa família “de classe”.

Ambos representam um quadro realista da atualidade brasileira. Há os pais que tiveram de menos na infância e que tendem a dar demais aos filhos; e há os que sempre tiveram uma mulher (empregada ou mãe) que fez por eles e que portanto acham que ser servidos é o jeito normal de viver. E há os que tiveram vida difícil e poupam os filhos das dificuldades. Todos estragam seus filhos.

Vivemos num tempo de enorme alienação da vida real, da vida ao vivo. As crianças não sabem mais que ovos vêm de galinhas e que galinhas são bichos com bico e penas que um tempo eram vivos antes de se tornarem nuggets. Crianças afogam seus neurônios em vídeo-games e são incapazes de enfrentar o mundo, conquistar seu espaço, saber lidar com a realidade do jeito que ela é. Crianças estão sempre mais gordas, mais preguiçosas, mais prepotentes, mais insensíveis. Vivem num mundo irreal envolto em fantasias e desejos, seus, de seus pais, da mídia de massa. Crianças estão desconectadas de si próprias, com os sentidos embotados sofrem e são medicadas perdendo a esperança de se encontrar novamente e serem um dia felizes.

Precisamos todos voltar ao básico da vída. Precisamos todos de mais simplicidade e humildade. Começa-se com as atividades domésticas. Sim, porque elas representam o pão de cada dia em termos de moradia. Todos precisamos de um teto, todos precisamos de um lar limpo, organizado, arrumado e por isso gostoso de se ficar. Todos começamos nossa vida num grupo. A família é a nossa primeira sociedade. Sentir-se parte ativa dela é motivo de orgulho para uma criança, lhe dá chão e ajuda a desenvolver maturidade. Lhe permite se situar, lhe ensina “como se faz”, a faz sentir parte do mundo de seus amados pais. Cuidar da vida material tem seu lado chato porque é repetitivo, mas isso é estar encarnados. Temos um corpo e precisamos comer, nos proteger, etc.

A boa pedagoga italiana, Maria Montessori, pensou numa educação que começa botando as mãos na massa, se sujando mesmo, aprendendo o básico e indispensável da vida. Não estamos num vídeo-game e não existem pais superpoderosos que podem providenciar ao infinito mimos e mordomias. Se queremos adultos conscientes, responsáveis e gentis, vamos começar a introduzi-los à realidade da vida, com amor mas também com sem dó. Lavar os pratos não é coisa de coitado, é coisa de gente independente e autônoma. Gente GRANDE.


Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Orientação Pais, Terapeuta Floral, Consultora, Palestrante e Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente. Consultoria em empresas e serviços de saúde. Presencial, Skype, WhatsApp, telefone. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…