Pular para o conteúdo principal

MULHER, LOUCURA É SUA REVOLUÇÃO

No jargão popular machista, quando uma mulher incomoda, recebe dois apelidos: “chata” e “louca”. Ela é “chata” quando “reclama” e “louca” quando se expressa.

Assim como a “manha” da criança, a “reclamação” da mulher nasce de um lugar muito mais profundo do que parece. Um lugar que quer ser ouvido, que precisa de legitimação. Mas a voz verdadeira não sai e o conteúdo interior não reconhecido incomoda e aproveita qualquer brecha para se manifestar, e aí sai como “manha” ou “reclamação”. Por outro lado, quando a mulher fala o que pensa e expressa o que sente é chamada de “louca”.

Dizia Silvia Montefoschi, psicanalista italiana (1926-2011), que os homens amam os homens e transam com as mulheres. Com essa frase paradoxal, ela apontava para o fato que o amor dos homens é pelo masculino, pelos valores, atividades, modo de pensar, de ser, de sentir masculinos. Em seu mundo, a mulher é um alienígena, objeto de desejo mas também ser incompreensível. Alguém que não se sabe como “administrar” e que também não se tem lá tanta vontade de entender porque isso levaria o homem a sair de sua zona de conforto.  E nós sabemos o quanto confortável é esse lugar! Ser homem é nascer com privilégios.

Até os homens não aprenderem a amar as mulheres – isto é, a amar o feminino, os valores femininos, as prioridades, o modo de sentir e de pensar femininos – elas continuarão a ser loucas e chatas. Mas como poderão os homens amar o feminino se as mulheres ainda não o fazem?

A sociedade está pautada sobre valores masculinos diante dos quais a mulher e sua vida são secundários, um empecilho até – como fica claro quando um jogo de futebol vale mais do que a morte (com esquartejamento) de uma mulher pelo goleador que é contratado  aplaudido assumir o homicídio.

Toda mulher, consciente ou inconscientemente, sabe que corre um risco ao se opor à vontade masculina. Seu medo é instintivo e baseado em milhares de gerações de mulheres antes dela. O preço da desobediência ao macho é sempre altíssimo. Teme pagá-lo ou inconsciente das consequências se omite e se faz cúmplice  para conseguir “um lugar ao sol”. Com isso vende sua alma ao diabo. O machismo se sustenta graças a uma ampla base feminina. Nesse 8 de março vamos ser honestas e dizermos que: algumas mulheres conquistarm direitos para todas. Não ganhamos mais porque não somos todas ainda.

Eis o sonho de uma mulher em seu caminho de individuação: “Há uma pedra que os homens precisam e que somente as mulheres podem lhes dar. Essa pedra é a criptonite, que é a pedra do Superman, a que lhe tira os superpoderes. Mas elas dizem que “eles não merecem”. A sonhadora, entretanto, consciente da necessidade de levar adiante essa missão, vai atrás da pedra e a consegue e descobre o quanto isso é difícil.”

As mulheres têm “dó” dos homens, dó de mostrar a eles que são humanos e não superheróis, dó de desmontar a fantasia do Superman. Mas é preciso fazer isso, fazer o herói cair do cavalo, como diz o sonho de um homem em análise: “Ele se vê tendo que carregar para cima e para baixo um boneco inflável do Superman. Sente-se exausto.”

As mulheres maternalmente protegem os homens de suas verdades e assim fazendo se supercarregam e se colocam para baixo. Para desmascarar o rei e mostrar que está nu, e que não é nenhum superhomem, é preciso da coragem que vem da consciência de que só elas podem parir um mundo novo. Um mundo onde ele se livra de seu complexo de superioridade e ela aquele de inferioridade.


Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Parenting Consultant, Mentor, Terapeuta Floral, Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente, individual e de grupo – Presencial, Skype, WhatsApp, telefone. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…