Pular para o conteúdo principal

NOS TEUS OLHOS VEJO MUNDOS... E MONSTROS!

Olhar nos olhos de outra pessoa por um período prolongado de tempo provoca estados alterados de consciência. É o que as pesquisas do psicólogo Giovanni B. Caputo, da Universidade de Urbino na Itália, revelaram nos últimos anos em dois experimentos.[1]
Primeiro, ele recrutou 50 voluntários para que ficassem de frente para um espelho num local com iluminação suave por dez minutos. As pessoas contaram que viram seus rostos se distorcerem e mudar, assumindo as aparências de animais, monstros ou até mesmo de parentes mortos!

Depois, Caputo recrutou 40 adultos e os dividiu em pares. Metade deles sentou de frente para uma parede (o grupo de controle) e a outra metade de frente para um parceiro. Novamente, era para ficarem 10 minutos olhando ou para a parede ou para os olhos do outro, num ambiente em luz baixa mas suficiente para discernir mudanças sutis no rosto da outra pessoa. Todos haviam de manter uma expressão neutra. Novamente estranhas experiências ocorreram. Não só as pessoas relataram que as cores pareciam levemente mais intensas e os barulhos mais altos, como quase 90% delas disse ver o rosto de seu parceiro deformado, 75% viu seres monstruosos e 15% viu traços de familiares emergir do rosto alheio. O tempo pareceu parar e as pessoas sairem de órbita.

Algumas dessas sensações, como o intensificar-se de sons e cores e o tempo parar,  são indicadores de sintomas dissociativos. A dissociação é um fenômeno que faz parte da vida normal; por exemplo, nos dissociamos quando, de volta para nossas casas, dirigimos sem prestar atenção na rua e de repente nos encontramos no lugar desconhecido (ou em casa) sem saber como chegamos lá. Mas a dissociação pode também levar à psicose: na psique é tudo uma questão de gradação.  Agora, o que os experimentos de Caputo trazem à tona é algo mais e mais inquietante. Ver o rosto do outro se deformar pode fazer parte do processo dissociativo, mas enxergar nele monstros, outras pessoas e animais não.

Diz a sabedoria popular que “Os olhos são as janelas da alma”. Olhor nos olhos é penetrar na privacidade do outro, deixar-se olhar nos olhos é nos revelar.

Todos temos espaços interiores íntimos que são só nossos e que não queremos que sejam violados. Mas além desses, há também aquelas áreas internas pelas quais nós mesmos preferimos não transitar, as olhamos de longe com o rabo do olho e nos pareem cinzentas e até tenebrosas. As evitamos cuidadosamente (e, inclusive, quanto mais as evitamos, mais tenebrosas elas se tornam) Fitar em olhos alheios por tempo suficiente parece nos levar nos subúrbios de nós mesmos...

Carl G. Jung, um dos maiores psicólogos de todos os tempos, diria que o que esses experiementos manifestam são projeções. Cada um projeta sobre o outro o que não vê ou evita ver em si. Um medo pode ser visualizado como um monstro, uma agonia como um animal (exatamente como acontece nos sonhos). E como ponte para a psicologia transpessoal, é legítimos nos perguntarmos onde fica a fronteira que separa a psíque individual daquela de todos os outros humanos? E onde está a barreira que nos divide nossa psique daquela animal? E finalmente qual é a diferença entre psique e espírito e quando a psique de uma pessoa se transforma em espírito uma vez que ela morre? E o que acontecem com os laços (positivos e negativos) que tínhamos com a pessoa defunda, que na verdade eram laços entre a psique dela e a nossa, nossos pensamentos, sentimentos, emoções conjuntas e em atrito?


Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Orientação Pais, Terapeuta Floral, Consultora, Palestrante e Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente. Consultoria em empresas e serviços de saúde. Presencial, Skype, WhatsApp, telefone. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.



[1] Caputo, Giovanni B. “Archetypal-Imaging and Mirror-Gazing”. In: Behavioral Sciences (2076-328X); Mar 2014, Vol. 4, Issue 1, p. 1. In: http://connection.ebscohost.com/c/articles/95272244/archetypal-imaging-mirror-gazing. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…