Pular para o conteúdo principal

O QUE É INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

Inteligência Emocional é “a capacidade de reconhecer nossos sentimentos e aqueles dos outros, para nos motivar e administrar bem as nossas emoções in nós e nas nossas relações. A inteligência emocional descreve abilidades distintas, mas complementares, à inteligência acadêmica.” (Daniel Goleman, 1998)

De acordo com as pesquisas, uma pessoa com um QI alto terá 20% de chance de ser bem sucedida, enquanto que uma com um QE terá 80%.

As três componentes da Inteligência Emocional são: 1) Competência emocional; 2) Maturidade emocional; 3) Sensibilidade emocional.

Competência emocional significa:
1) Administrar as perturbações emocionais (raiva, tristeza, depressão, felicidade, tudo que nos tira do equilíbrio);
2) Saber manter a autoestima alta;
3) Administrar o próprio egoísmo;
4) Lidar com o complexo de inferioridade.

Todos os pontos acima requerem uma análise honesta e transparente de si mesmos, o que engendra tanto desconforto quanto humildade e termina em fortalecimento e alegria, porque tiramos um peso das costas. Fingir conosco mesmos é cansativo, mais do que fingir com os outros.

Maturidade emocional significa:
1) Ter consciência de si (ou seja, estar presentes a si mesmos, saber o que se está sentindo, enteder de onde vem, por que acontece, o que o outro desperta em nós. Observar-nos.);
2) Ajudar os outros a se desenvolverem (a pessoa que está em sintonia consigo irá naturalmente promover os outros);
3) Saber adiar a gratificação (este é um corolário do ponto acima acerca do egoísmo: saber postergar o próprio prazer, conseguir ter prioridades acimas da própria gratificação);
4) Ser adaptável e flexível (tudo isso leva a desenvolver uma grande flexibilidade e portanto uma grande capacidade de adaptação).

Sensibilidade emocional significa:
1) Perceber o limite da excitação emocional (ou seja, o momento em que as emoções surgem, que podem ser tanto positivas quanto negativas);
2) Ter empatia (só quem sentiu em si poderá sentir o que o outro sente);
3) Saber melhorar as relações interpessoais;
4) Saber comunicar as próprias emoções (esta é a abilidade mais estratégica para desenvolver relações positivas e muitas vezes solucionar situações muito difíceis).

A pessoa com um alto grau de Inteligência emocional:
- Não tem medo de expressar seus sentimentos e emoções;
- Não se deixa dominar por emoções negativas (as sente e as tem, mas não a dominam);
- Sabe equilibrar sentimentos e razão, lógica e realidade;
- É independente, autoconfiante e moralmente autônoma;
- Não é motivada por poder riqueza, status, fama e aprovação;
- Se interessa pelos sentimentos dos outros;
- Não se deixa imobilizar pelo medo ou pela preocupação;
- Sabe quando falar e quando calar;
- É emocionalmente resiliente.

A pessoa com baixa Inteligência Emocional:
- Não assume a responsabilidade pelos próprios sentimentos mas a joga para cima dos outros;
- É insensível aos sentimentos alheios;
- Não tem empatia ou compaixão;
- É insegura e na defensiva, e acha difícil assumir os próprios erros ou expressar remorsos ou se desculpar sinceramente;
- Não sabe escutar, interrompe, desqualifica. Não compreende as emoções que lhe estão sendo comunicadas. Foca nos “fatos” e não nos sentimentos.
- Não leva em consideração os sentimento dos outros antes de agir.

A pergunta que todos devem estar se fazendo nesta altura: a Inteligência Emocional pode ser aprendida, desenvolvida, melhorada? A resposta é um sonoro SIM!

Ser capazes de reconhecer, conhecer, administrar as próprias emoções e sentimentos é essencial para termos mais felicidade e uma vida relacional mais harmoniosa. Tenho percebido em minha prática clínica que quanto mais uma persona desenvolve sua inteligência emocional mais de bem com a vida ela fica e, sem ela fazer esforço, esse bem estar se transmite a todos à sua volta.

Referência: Attri, M. “EQ x IQ”

Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Orientação Pais, Terapeuta Floral, Consultora, Palestrante e Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente. Consultoria em empresas e serviços de saúde. Presencial, Skype, WhatsApp, telefone. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…