Pular para o conteúdo principal

A CRIANÇA INTERIOR E SUA CURA

Ser criança é uma condição difícil, ao contrário do que os adultos pensam. Crianças não podem sair de casa quando brigam com seus pais ou se sentem incompreendidas. Elas geralmente acham, inclusive, que elas estão erradas enquanto a revolta muda cresce dentro dela. Crianças não se dão conta dos problemas de sua família, simplesmente os sofrem.

Seus pais por sua vez têm aquela conhecida vida corrida voltada a garantir a sobrevivência, fazer carreira, ganhar mais dinheiro e comprar mais coisas. Enquanto isso, seus filhos atravessam idades diferentes com necessidades diferentes, para perceber as quais é preciso somente de uma simples atitude: atenção.

Para ser bons pais não é necessário conhecer as etapas psicológicas do desenvolvimento infantil, basta olhar de verdade para seus filhos, ouvi-los com interessada curiosidade e disponibilidade emocional. Se os pais desligassem de sua correria e de seus circúitos mentais repetitivos, iriam perceber que suas crianças estão tentando lhes comunicar alguma coisa.

Para prestar realmente atenção aos filhos, há uma pré-condição que precisa ser preenchida: aceitação. Aceitá-los significa enxergar a criança como um outro ser, diferente deles (e não um pedaço deles), um ser com sua lógica, percurso e necessidades – que nem sempre correspondem às expectativas do adulto. Isso porque nos abrimos emocional e mentalmente somente àquilo que temos antes aceito. Caso contrário, o rejeitamos. Podemos fingir prestar atenção mas não estaremos de verdade abertos a acolher o outro, deixaremos entrar somente partes do outro que confirmam nossas verdades (e preconceitos). O que resulta na muito comum experiência de não se sentir amado. As crianças, por causa de sua condição de contínua mudança, aprendizado, diferenciação dos pais, passam frequentemente por isso. Como prova basta que cada um olhe para dentro de si e se conecte com a carência que sente, com a falta de amor, a tristeza e o vazio profundo e vago que nas horas de maior vulnerabilidade e solidão se faz perceber.

Todos carregamos feridas desse tipo, das quais fugimos a maior parte das vezes por hábito, porque foi assim que, na época, tentamos “resolver” o mal estar: fugindo dele. Mas desta forma, a ferida continua sangrando. Para que ela se torne cicatriz, é preciso voltar lá e cuidar dela.

A criança que está dentro pede para ser acolhida, o que significa receber o que faltou: atenção verdadeira, olhar interessado e disponibilidade emocional. Portanto, façamos isso, voltemos lá, ou melhor, permitamo-nos sentir. Pode-se usar fotos da época e olhar para nós mesmos crianças. Olhem para aquela criança com atenção verdadeira, olhar interessado e disponibilidade emocional – aguentando o desconforto que podem vir a sentir. Certamente, mil e uma coisa irá surgir. Fiquem com elas todas. Fiquem com a criança interior e todos seus conteúdos, suas lágrimas, seus medos, sua dor.... Se permitam senti-la dentro. Sejam os ouvidos que ela não teve, o olhar amoroso que faltou, a aceitação que nunca chegou.  

Ao permanecer com a criança interior, sustentando com sua força de adulto suas dores, medo, vazio e confusão dela, vocês estarão curando-a. Peguem-na pela mão e sejam os pais que ela não teve. Mostrem-lhe assim que se pode sobreviver, que o mundo não vai cair sobre sua cabeça, que está tudo bem.

Aos poucos, a ferida vai parar de sangrar e se tornar uma cicatriz, um ponto delicado em nosso corpo emocional e mental, mas sem mais dor. Desta forma, ganhamos força e estabilidade emocional e nos desvinculamos da cobrança para com os nossos pais, aceitando-os em sua incompletude e compreendo que fizeram o que seu nível de consciência e de conhecimento permitiram. Somos todos viajantes.


Adriana Tanese Nogueira

Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Orientação Pais, Terapeuta Floral, Consultora, Palestrante e Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente. Consultoria em empresas e serviços de saúde. Presencial, Skype, WhatsApp, telefone. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…