Pular para o conteúdo principal

TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO: uma resposta suadável diante de uma edução doentia

Concordamos com Claudio Naranjo, o psiquiatra chileno considerado um dos pioneiros da ponte entre psicologia e tradições espirituais, que hoje as escolas não educam para a sabedoria e compreensão da realidade, mas para passar provas. Este tipo de educação exige da criança e do jovem que se tornem robôs, executando tarefas sem pensar ou questionar mas meramente repetindo as respostas que lhe disseram ser as certas, ou seja as esperadas pelo sistema educacional do qual o professor é mero representante. Educação hoje é negócio e está voltada moldada no mesmo estilo de um negócio, impessoal, sem relação (“objetiva”) e sem sentimento (“fria”). Ou seja, desumana.

Para a Unesco, a função da educação é a de promover a atitude do aprendizado que se distingue em: aprender a aprender, aprender a fazer e aprender a conviver. Estamos muito longe disso.

Outra carência gigantesca do sistema educacional é a falta de atenção dada à inteligência emocional. Saber entender as próprias emoções para ser uma pessoa mais equilibrada e feliz e assim compreender as dos outros está provado que promove relacionamentos mais saudáveis e sucesso profissional. Infelizmente, os próprios educadores têm se mantido ignorantes a respeito da vida emocional de seus alunos (e sua própria), talvez por lealdade à divisão competitiva entre os trabalhos de psicólogos e sacerdotes ou por preguiça mesmo de penetrar nesse universo no qual sua subjetividade seria chamada em causa. Mas esta escolha é míope e fadada ao insucesso, pois de emoções está impregnada toda relação, em particular aquelas com crianças e jovens.

Segundo Naranjo, apelar para estudos experimentais, para as assim chamadas “provas científicas”, é mais uma forma para desconsiderar o assunto definindo-o ainda pouco apurado, pois “com estudos experimentais, diz Naranjo, se pode provar una coisa e seu contrário, da mesma forma como os advogados têm metade da biblioteca jurídica a serviço de seu cliente e a outra metade contra. Perde-se assim o bom senso, a intuição, o “olhar clínico”, como aquela diretora de escola privada que, diante da menina de 2 anos que se masturba toda tarde para tirar a soneca ou mesmo durante o sono, desconsidera o assunto definindo-o “normal”.

As próprias educadoras passaram pela mesma educação que transmitem a seus alunos, uma cultura que parece ter sido desenhada para roubar a consciência das pessoas, mantendo-as ocupadas com coisas estúpidas. Enquanto isso, o que importa é ignorado. Não se presta atenção ao essencial que é: promover o desenvolvimento da independência de pensamento e liberdade individual, da espontaneidade e criatividade, daquelas coisas, enfim, que são fundamentais para que uma criança se compreenda e possa assim ser sujeito ativo e criador no mundo.

Assim, os próprios educadores, cuja consciência foi deformada pelo sistema educacional do qual estão impregnados, não reconhecem que os transtornos de déficit de atenção não são nada mais que uma reposta sã à uma educação patológica e patologizante.

Lembro quando cursei o Master em Mental Health Counseling na FAU de Boca Raton, FL, classificado o sexto melhor dos EUA. As aulas eram para mim tão entediantes e superficiais que só sobrevivia porque enquanto acompanhava e participava ativamente, também trabalhava, respondia e-mails e cuidava dos meus negócios. Mas eu era uma adulta já profissional há muitos anos... Se tivesse sido uma criança, sem meios para extravasar a inquietação que conteúdos vazios produzem numa mente criativa e viva, teria sido diagnosticada com TDAH (ou AD/HD em inglês) e teria sido obrigada a me drogar com Rivotril.



Adriana Tanese Nogueira
Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Orientação Pais, Terapeuta Floral, Consultora, Palestrante e Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente. Consultoria em empresas e serviços de saúde. Presencial, Skype, WhatsApp, telefone. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…