Pular para o conteúdo principal

VIDAS PASSADAS BLOQUEANDO SEU PRESENTE

Quando durante o processo terapêutico encontramos obstáculos resistentes que não se consegue superar apesar da concordância do eu da pessoa é preciso averiguar se o que está segurando não é uma questão que transcende os recursos da teoria psicológica que está sendo usada.

Conceitos são instrumentos de compreensão, se não tiver resultado com eles é porque não são os certos para o que se quer entender (e resolver). Eis a importância das teorias. Ir a um psicólogo não é suficiente, é preciso saber de qual ponto de vista ele atua. O ponto de vista inclui a direção. Para onde a terapia vai? Qual tipo de progresso quer realizar?

Resgatar experiências de vidas passadas fornece um incrível estímulo na direção das mudanças procuradas. Abre o horizonte do eu e de sua identidade, e, portanto, de suas possibilidades de evolução. Os esquemas de compreensão que cada um possui, geralmente adquiridos de sua família e ambiente sócio-cultural, precisam ser rompidos para que novas formas de entendimento de sua realidade possam lhe regalar o ímpeto e o entusiasmo perdidos.

Nesse sentido, a recuperação de problemáticas que transcendem a história do eu atual são de grande ajuda. Não nos interessa enxerga-las como verdades históricas concretas. A própria história, como todo historiador sabe, é o conto do passado a partir de um ponto de vista. Recordamos conforme faz sentido para nós. Assim as vidas passadas que se encontram no processo terapêutico são as que promovem o crescimento do eu e a superação dos males presentes.

Dizia Jung que “real é o que tem efeito”. Nesse sentido um sonho pode ser mais real do que um fato relatado no telejornal.  O real está sempre vinculado a alguém. A história é feita de pequenos centros de interpretação e vivência, ou seja cada um de nós.

Em minha experiência clínica, a descoberta de eventos passados tem provocado saltos inesperados e o progresso desejado. Naturalmente, não se chega às vidas passadas sem antes ter analisado a vida presente, inclusive porque qualquer imagem que aflorar à mente tem relação com o presente da pessoa. Logo este presente precisa ser conhecido. O trabalho com as vidas passadas não é diversão, é terapia. É parte do caminho de empoderamento pessoal e de libertação de padrões repetitivos de comportamento, de sentimento e de pensamento.

Por isso, a análise pessoal é o cenário central da regressão. É para dar mais espessor e ganhar mais recursos que às vezes é preciso voltar ao longínquo passado e sondar o que aconteceu.

As teorias do trauma confirmam que, não só os efeitos dos traumas permanecem silenciosos por anos e anos, como que não os se resolvem somente no plano cognitivo. Os traumas amarram a energia emocional da pessoa de formas que transcendem sua racionalidade e limitam tanto suas escolhas como o entendimento de si e dos outros.

Muitas limitações que as pessoas apresentam são enraizadas em outras vidas. Tanto é que apesar de haver ocorrido algo nesta vida, mesmo quando analisado, compreendido, chorado e aparentemente superado, parece que há algo que segura, que prende, que não faz de fato ir adiante. É nessa hora que precisa olhar para trás. Buscar origens ocultas. Aprofundar o olhar e ir curar feridas antigas.

O trabalho de regressão pelo método de Roger Woolger (Deep Memory Process) é uma verdadeira terapia e não simplesmente uma catarse. Cura o passado integrando-o à consciência presente, ampliando a identidade do eu e promovendo o equilíbrio e a serenidade interiores procurados.


Adriana Tanese Nogueira


Terapeuta Transpessoal, Psicanalista, Life Coach, Educadora Perinatal, Orientação Pais, Terapeuta Floral, Consultora, Palestrante e Autora. Atendimento adulto, criança, casal e adolescente. Consultoria em empresas e serviços de saúde. Presencial, Skype, WhatsApp, telefone. Boca Raton, FL +15613055321.  www.adrianatanesenogueira.org.

Comentários

  1. Essa frase combina com o que esse texto, espero que goste:

    "Nunca dês ouvidos àqueles que, no desejo de te servir, te aconselham a renunciar a uma das tuas aspirações. Tu bem sabes qual é a tua vocação, pois a sentes exercer pressão sobre ti. E, se a atraiçoas, é a ti que desfiguras. Mas fica sabendo que a tua verdade se fará lentamente, pois ela é nascimento de árvore e não descoberta de uma fórmula. O tempo é que desempenha o papel mais importante, porque se trata de te tornares outro e de subires uma montanha difícil. Porque o ser novo, que é unidade libertada no meio da confusão das coisas, não se te impõe como a solução de um enigma, mas como um apaziguamento dos litígios e uma cura dos ferimentos. E só virás a conhecer o seu poder, uma vez que ele se tiver realizado. Nada me pareceu tão útil ao homem como o silêncio e a lentidão. Por isso os tenho honrado sempe como deuses por demais esquecidos. "

    Saint Exupery (Citadel)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …