Pular para o conteúdo principal

MÃES DESRESPEITADAS PELOS FILHOS

Há mães que sofrem abuso e bullying por parte dos filhos.
Filhos que desconsideram tudo o que a mãe fala (mesmo após passada a adolescência), filhos que se aproveitam da disponibilidade dela, do amor que elas têm por eles. Filhos presos em comportamentos neuróticos e agressivos que não querem enxergar e que prejudicam as relações familiares, e seus próprios filhos se por (des)ventura os tiverem. Filhos, enfim, que tratam a mãe como uma serva e uma idiota.
A importante entender o pano de fundo do problema. As crianças aprendem a se relacionar com os pais (portanto com a mãe também) a partir de duas experiências: 1) de como os pais as tratam; 2) de como o pai trata a mãe (e de como esta trata o pai). Não se escapa.
Portanto, uma mãe que não é respeitada pelo filho é uma mulher que não foi respeitada pelo marido. E, consequência/causa disso é uma mulher com baixa autoestima, que por falta de recursos sociais ou psicológicos foi colocada para baixo.
Nada disso justifica um filho maltratar a mãe, mas certamente endossa um potencial nocivo que estava presente.
O que fazer?
Como primeira coisa, implementar aquele respeito que faltou – e fazê-lo com a firmeza e lucidez proporcional ao tamanho do desrespeito.
E, nesse sentido, aprender a calar e se distanciar. Calar server para que quando formos emitir algum som o outro preste atenção. Distanciar-se cria o vazio que valoriza quem falta.
É também importante não se deixar usar, porque servos, por definição,  não valem nada. Não se valoriza quem está sempre à disposição mesmo quando é maltratado. Se, mesmo assim queremos ajudar, porque há netos ou porque o filho precisa muito, façamo-o mas com dignidade e gravidade, mostrando que não se é estúpidos, e aí voltamos à nossa vida.  
A maternidade vira veneno quando o coração de mãe endossa comportamentos prejudiciais tanto para o filho quanto para os outros em volta do filho. Uma mãe precisa ter consciência disso e aprender a tocar a música que quer que o filho aprenda.
Agora, o que fazer quando o filho já é adulto e tem por sua vez filhos que sofrem as consequências de sua irresponsabilidade? Uma mãe desrespeitada é impotente diante disso porque pela faltando-lhe o respeito do filho, ela também não tem credibilidade. Tudo o que falar será desconsiderado.
A essa mãe resta tentar semear nas cabeças e corações de seus netos valores que possam um dia vir a desabrochar trazendo-lhes novas visões que possam lhes ser úteis. Mais do que isso é geralmente impossível, brigar não adianta, só fortalece a muralha neurótica do filho.
Como mãe, enfim, precisamos entender algumas coisas: 1) que não somos onipotentes; 2) que nem todos os problemas de nossos filhos existem por nossas causa, mesmo com os defeitos que temos; 3) que os filhos têm pelo menos metade da carga genética e problemática do pai; e enfim 4) que essas criaturas não nascem “tabula rasa”, eles têm seu próprio percurso de alma e que “crescer tortos” é também uma escolha deles (mesmo que inconsciente) – e o mesmo vale para os filhos desses filhos. As almas se atraem.
Fazemos o nosso melhor mas não podemos salvar ninguém. O que porém podemos e devemos e nos respeitar. Somente assim teremos talvez a chance de transmitir às pessoas que nos são mais queridas as pérolas de sabedoria que anos de vida e tribulações nos ensinaram.


Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, ínteprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321 www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…