Pular para o conteúdo principal

SER COMO TODO MUNDO: PRÓS E CONTRAS DO ESTEREÓTIPO

Quem alguma vez não desejou não ter certos sentimentos e pensamentos? Quem já não fingiu que não tinha aquelas dúvidas que surgem sem permissão? Quem já não evitou, a custo do ridículo, questionar coisas que se quer deixar quieto porque difíceis de se lidar? Há momentos em que se daria tudo para poder dizer que, sim, gostamos de fazer tal coisa, de ir a tal lugar, de parecer ser feliz…

Há momentos em que ser nós mesmos é sentido como um azar, ou uma maldição ou um esforço danado! Seria tão mais simples se pudéssemos simplesmente eliminar aquelas características, pensamentos e sensibilidade que nos tornam diferentes!

A diferença gera desconforto. Muitas vezes produz puro e simples sofrimento, bullying, maus-tratos, rejeição. Muitas vezes, basta um singelo grão de diferença para estragar tudo, um olhar oblíquo, um sorriso amarelo, um gesto descontrolado que nossa máscara cai atraindo olhares constrangedores. Pia e ingenuamente lutamos para ser como achamos que os outros nos querem e assim nos enfiamos à força no estereótipo, sufocando a rebelião interior.

E se acontecer de decepcionarmos as expectativas, fazemos de tudo para apagar a marca da “desonra” e convencer aos outros (e a nós mesmos) que houve um engano, que foi tudo um mal entendido. Asseguramos, assim, nossa fidelidade ao modelinho, ao papel assumido e prometemos sua eterna repetição como se fosse uma questão de vida ou de morte.

Estereótipos são confortáveis, macios e acolhedores. Induzem o sono da consciência e por isso permitem um trânsito pela vida sem grandes sacudidas... porque se vive adormecidos. A pequena variedade de comportamentos e escolhas que um estereótipo oferece é nada comparada à infinita variedade psicológica e à unicidade de cada ser humano e não só: à sua tendência natural para uma evolução infinita! Estar no estereótipos evita as responsabilidades de quem assume o que pensa e o que é. Evita ter que fazer escolhas que podem gerar conflitos e dificuldades porque exprimem nossas verdades.

Estereótipos atendem às mais diversas fraquezas humanas: o medo de dizer o que se pensa, o medo de sentir o que se sente, o medo de expressar a própria visão das coisas, o medo de não ser amado e aquele de estar só. Mas também a ignorância, o orgulho e a preguiça. Sobretudo, os estereótipos nos poupam do esfoço de ter uma vida interior, de pensar com a própria cabeça e criar nossa própria realidade. Vestindo estereótipos entramos no fluxo da vida sem ter que parar para pensar. Tudo é “bom”, todos são “amigos” e de todos “gostamos”, e se não gostamos, fingimos, e está “tudo bem”.

No embalo dos estereótipos, esquemos de quem somos e nos deixamos moldar conforme as situações requerem. Passeamos descontraídos e alienados pela vida. E tudo seria realmente perfeito se não fossem aquelas coisinhas que fogem ao nosso controle: uma gastrite e uma dor de cabeça, uma ansiedade “incompreensível”, um filho agressivo, um pesadêlo recorrente, um corpo que engorda, aquelas lágrimas que inexplicavelmente escorrem enquanto se afirma que “se está bem”, as notas medíocre na escola e incapacidade de se concentrar no trabalho e assim vai...

Tão confortáveis são os estereótipos que nos fazem esquecer que somos Seres Humanos. Os seres humanos se diferenciam das demais criaturas por seu altíssimo grau de criatividade. Um ser humano possui um potencial imprevisível e riquíssimo de possibilidade que precisam e devem ser realizadas. Seres humanos sem autorealização são seres infelizes. A felicidade é diretamente proporcional à capacidade de liberdade de ser que cada um consegue expressar. Logo, jogue fora os estereótipos e descubra quem você realmente é. Faça amizade consigo mesmo e se abra para novos caminhos e novas soluções.

Adriana Tanese NogueiraLife Coach, Psicanalista, filósofa, terapeuta transpessoal, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser&Saber Consciente e do ConsciousnessBoca em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321 www.adrianatanesenogueira.org


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…