Pular para o conteúdo principal

SER COMPLEXADO: O QUE SIGNIFICA E COMO FUNCIONA


Imaginem São Paulo, ou Rio de Janeiro, ou muitas outras cidades brasileiras, mas vamos falar do Rio. Todos sabemos que está construída entre o oceano e os montes, o que a torna particularmente charmosa. Sabemos também que ela está pontuada por favelas nos lugares menos esperados, entremeando a cidade “normal”. Um turista inocente, passeando admirado e desprevenido, pode, de repente, deparar-se num lugar pouco seguro, ou até mesmo muito perigoso. Quem não conhece bem a cidade não tem nunca certeza do que vai encontrar. Há áreas seguras, onde se pode razoavelmente ter uma certa expectativa positiva, há áreas incertas, onde é preciso andar com cuidado e manter os olhos bem abertos, e há lugares em que decididamente não deveríamos pisar.

Essa acima é a realidade física e social da cidade mas é também uma metáfora da realidade psíquica interior da subjetividade humana. Uma pessoa psicologicamente saudável é como uma cidade limpa pela qual podemos passear à vontade sem medo de sermos agredidos de repente, virando a esquina errada ou ao entardecer. Ou seja: uma pessoa confiável é aquela com a qual se pode discutir uma série de assuntos e situações sem sermos esbofeteados por reações incoerentes que nos deixam perplexos ou mesmo assustados.

Reações assim todos nós já temos vividos com uns e outros e até mesmo exibido nós mesmos (quem é suficientemente honesto para se enxergar saberá reconhecer). Elas correspondem à acabar, de repente, numa área urbana perigosa, e sentir-se vulneráveis e em perigo. Quantas vezes já não aconteceu de estarmos conversando ou mesmo discutindo um assunto com tal pessoa e ela explodir numa reação insensata e agressiva? Quantas vezes já não vimos pessoas reagirem de forma exagerada, sem que elas mesmas o percebam, a situações ou tópicos que nos parecem simples e inócuos?

Lidar com uma pessoa complexada é como caminhar num terreno minado. Você não sabe onde está a bomba, só saberá quando explodir. Quantas bombas há depende de quanto a pessoa é complexada. Mais complexada a pessoa, mais vulneráveis somos nós. Mais complexada, mais insegura ela é. Mais complexada, mais agressiva e/ou ilógica ela será.

Os complexos são como uma área psíquica interditada: a pessoa não quer ir lá e todos os conteúdos que lá estão ou que se relacionam à área são evitados, rejeitados, negados.

Complexos possuem um núcleo: a rejeição, por exemplo. Complexos têm sempre raízes no passado e até mesmo em vidas passadas – mas não se pode pular para elas sem antes ter resolvido o problema dessa. Complexos nascem porque a pessoa não aguentou enfrentar determinada situação e dela fugiu, no sentido mesmo de enfiar a cabeça na areia. Se apavorou e reprimiu, gerando no tempo o complexo, camada após camada de negação, repressão e camuflagem.

Quanto maior o alvoroço causado pela situação/reação, mais forte o complexo, o que significa maior sua área de atuação porque complexos são como imãs. Tudo o que têm alguma ligação com eles os ativam. Uma pessoa com um complexo de rejeição vai ter reações desproporcionadas todas as vezes em que o sentimento de rejeição for ativado até chegar a situações ridículas. Os eventos serão interpretados nessa ótica: querem me rejeitar, estou sendo rejeitado.

O problema com os complexos é que a pessoa não quer se tornar consciente deles, logo você não será ouvido quando tentar dizer: Olha, não é bem assim... Complexos são inconscientes. A pessoa complexada tem pavor de enxergá-los e, exatamente por isso, se tornam sempre mais invadentes. Isso leva a pessoa ao limite da paranóia sem entretanto querer acordar do pesadêlo, criando um círculo vicioso.

Resolver um complexo requer afinado autoconhecimento e strategia psicológica.

Adriana Tanese Nogueira

Life Coach com training psicanalítico, filósofa, terapeuta transpessoal, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321 www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…