Pular para o conteúdo principal

A VONTADE DE DEUS (EM VOCÊ)

Maria é professora de inglês a 20 anos. Empenhada, ela adora ensinar, sabe escutar e engaja seu estudantes para que se sintam acolhidos. Maria voltou das férias e começou a preparar suas aulas, quando se percebeu exausta do que estava fazendo. Deu um sentimento de desânimo e de falta de interesse.

No passado, Maria se atualizava com dedicação, a uns anos começou a preferir cursos relacionados a desenvolvimento humano, seu foco foi passando da satisfação pelo progresso dos alunos no inglês para a satisfação pelo progresso dos alunos. Maria gosta de ajudar pessoas a se sentirem melhor consigo mesmas.

Após dar-se conta de sua exaustão profissional (e um floral de Bach ajudou na tomada de consciência), Maria sonha que está fazendo um curso sobre borboletas e, no mesmo ambiente, vê um colega, do qual sabe pouco, fora que é calvo.

Através do sonho o inconsciente aponta para Maria que ela precisa aprender a se trasformar. A mudança de vida vem depois da mutação. Maria está sem mais ideias (cabelos) para seu trabalho. Poderia haver muitas, ela certamente não esgotou todo o potencial de uma professora de inglês. Mas ela esgotou o SEU caminho de professora de inglês. Chegou a hora dela passar a uma nova fase existencial que será tão diferente da outra quanto o lagarto é diferente da borboleta que dele surge.

Na noite seguinte, Maria sonha que dorme num quarto cuja parede é de vidro e dá para o mar. Uma forte onde chega e bate no vidro, mas não o quebra. Com ela está um tio, que é deficiente mental. Pessoa boa, agradável de se estar, ele é um personagem positivo em sua vida, alguém que vive sua condição sem revolta. Em suma, ele está harmoniosamente conformato. Ele representa o conformismo de Maria, cuja vida não é triste ou conflituosa, simplesmente limitada. Maria se acostumou a viver dentro da redoma e eis o que o tio representa no sonho: o conformismo tranquilo. A consciência (Maria) e o limite (tio) precisam do mergulho renovado no útero inconsciente criador e fecundo. Ela o teme, daí o vidro entre si e a onda, mas está na hora de se molhar.

E algo de fato acontece em Maria porque na noite seguinte, ela sonha com seu novo aluno (sua nova tarefa): um adolescente disléxico e autista. Descobrimos que por trás do tranquilo conformismo há outra coisa, há o adolescente que ficou travado. O outro lado da moeda, que ficou na adolescência, corresponde aos conteúdos interiores turbulentos, intensos, complexos que não foram integrados e processados. A aceitação do limite existe porque há uma dislexia devida ao amontoado de conteúdos que se atropelam entre si resultado em afonia e finalmente em autismo, que é extrema introversão e recuo do mundo. Faltou a parturição de si no mundo, o feto (o potencial da condição adulta de ser realizado) permaneceu em gestação até hoje. É com esse garoto que Maria precisa lidar. Sua voz (rebelde, nova, desafiadora, intensa – como a de todo adolescente sadio) ficou travada. Maria se pergunta: como fazer com ele?

Ela de alguma forma, ela fará porque este é o seu caminho. O Eu não precisa ficar apavorado, ma deve seguir obediente o chamado interior e os recursos virão. Nisso, ela estará realizando a transição de lagarta para borboleta.

Este pequeno retrato é um exemplo do que em psicologia pós-junguiana chamamos de “a vontade de Deus”. O Deus que fala dentro da gente não tem dogmas nem instituições, mas sua fala é clara para quem quer ouvi-lo. Seu chamado está diretamente ligado ao nosso processo evolutivo, nele se enraiza e de mãos dadas evoluímos.


Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, ínteprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321 www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…