Pular para o conteúdo principal

AMOR ENTRE DOENÇA E CRESCIMENTO

Geovana é uma mulher bonita, que investe muito na sua aparência mas que também se considera inteligente e de bom coração. Ela gosta de festa, de solidão e de homens. Era fácil de Geovana esbarrar num novo relacionamento que tão alegremente começava como tão repentinamente terminava. Ela amava e deixava, amava e deixava, amava e deixava. Logo se sentia apaixonada, depois entendiada ou amedrontada. Conclusão: logo (se convencia que) não amava mais. Sua inteligência sempre lhe argumentos convincentes para terminar relações. Geovana fugia como o diabo da cruz da dependência que o amor causa.

E aqui há algo a ser explorado e melhor compreendido.

Amor, de fato, causa dependência. Mas será a mesma dependência causada pelo álcool? Até pode.

Amor é duas coisas:

1. Gratificação imediata do desejo.
Encontramos alguém que se encaixa conosco, isto é, com nossas necessidades e carências do momento, portanto nos satisfaz. Estar com essa pessoa é como encontrar alivio e serenidade após prolongada dor.

2. Gratificação imediata do desejo e... crescimento e evolução.
Toda relação começa como gratificação imediata de algo, consciente ou inconsciente. Toda relação amorosa provoca bem estar e ânimo, alivio e esperança. Duas pessoas se encaixam, suas personalidades se sintonizam. Mas toda relação esconde o desejo de ir além.

Amor é uma força de transformação. Amor não é só quentinho, aconchegante, seguro como o berço infantil. Amor é também trovoadas e relâmpagos, é chicote e susto. É busca, perda, anseio, labuta. Amor existe para fazernos crescer, dar saltos, superar nossas (auto)sabotagens, limites e covardia. Amor não é para fracos.

Amor seduz. E o faz para nos engajar numa aventura que nos faz superar a nós mesmos. Amor não é para gente egoísta. Amor não é para os medrosos. Amor nos suborna a ir contra os nossos interesses, sendo “nossos” os interesses do ego.

E aqui está uma diferença importante. O amor saudável é o da pessoa que se fortalece pelo amor e que se supera. A “amor das mulheres que amam demais” é o amor daquelas mulheres (e homens) que precisam aprender a se amar. Logo o amor pelo outro é para eles o desafio que encontram em seu processo de desenvolvimento para que aprendam a amar a si antes.

Agora, há o amor daquelas mulheres (e homens) que, ao amar o outro, amam na verdade os próprios interesses egóicos (limitados, auto-gratificantes). O outro é um meio para eles realizarem seus fins. Esse amor é tão doente quanto o amor de quem se perde na relação.

O que dizer da dependência?

O amor é uma desfeita do ego. Ego é um complexo psíquico (leia-se Jung) cuja principal função é a se manter íntegro e no controle. Se perder o controle a pessoa está perdida. Mas se ela controlar demais, se fecha em si mesma, numa vida atravancada que não evolui. O ego não ama, só aceita o que lhe convém.

O amor nos liga a outra pessoa. Ao fazer isso, o amor desafia os limites e os interesses do ego. Toda mãe sabe disso, e não é muito diferente nas relações amorosas. Uma relação é saudável quando esse desafio é acatado e nos faz crescer como pessoas junto à outra pessoa.

E, sim, vamos depender da outra pessoa. Não tem como amarmos alguém e não estarmos nem aí com ela, não sentirmos falta dessa pessoa. Mas não é só “ter” essa pessoa: é tê-la na abertura de ambas ao amor que ambas sentem. Amar nos abre ao outro. Nos abre como uma ferida, que às vezes sangra, outras nos preenche de alegria. Depende de nós, da coragem de nos jogarmos nos braços do Amor. E seja o que o Amor quiser.

Ame, Geovana.

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, ínteprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321 www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…