Pular para o conteúdo principal

COMO ACABAR COM A AUTOESTIMA DE UMA MULHER

Teu marido quer visitar um amigo dele e te pergunta, “Amor, vamos para tal lugar?” Você acha que vão viajar juntos. Você trabalha muito, precisa de distração e adora viajar... Apoia a ideia.
O amigo dele conversa com um terceiro amigo que se junta ao grupinho e logo a viagem se transforma no que de fato é: uma reunião entre amigos.
Ele e os amigos dele.
Eles não têm nada a ver com você.
Sabendo o quanto ele ama seus amigos, você se pergunta se a viagem vai ser boa para você.
Ele, irritado, retruca que você é egoísta, que você não sabe dar, sempre que algo em troca...
“Mas, para o quê eu vou ‘servir’ lá?” Você pergunta, ele responde que sendo a mulher dele, ele quer que você vá junto... E você já tinha dito sim (antes de saber do que se tratava de verdade).
Você resolve ir.
Vai pagar para ver.
Quer sair um pouco. E vai ficar na sua. Ver o que acontece.
O amigo hospedeiro abre sua casa para vocês. Quer lhes dar tudo do bom e do melhor – o “bom e melhor”do ponto de vista dele.
Ele já decidiu o que vão fazer.
Lidera o grupinho dos três amigos. São ex-colegas de trabalho. Têm contos e histórias para compartilhar. Sarros e piadas, risadas e companhia. Aconchegam-se um no outro.
Falam de carro, de dinheiro, de trabalho, de terceiros. O vozeirão do dono da casa manda e desmanda. O churrasco já está programado. Muita carne e muita cerveja. O objetivo é ficar bêbados. Ficar juntos e ficar bêbados.
Nada de errado com isso, fora a irresponsabilidade de homens adultos, barrigudos, gordos, que não sabem cuidar da própria saúde. Mas cada um tem o direito de fazer o que quer – inclusive de se suicidar lentamente na base de comidas e bebidas erradas.
Mas e ela? E elas? As esposas?
Você está lá porque é esposa. Não interessa o que faz, quem é, o que pensa, o que sente, o que deseja. Você faz presença. É esposa. Marca o ponto. É esperado de você que se junte à outra esposa, porque mulheres falam “de coisas de mulheres”, são “as meninas” que são postas para sentar junto na mesa, como se faz com as crianças. Das esposas é esperado acompanhar, ser dóceis e sorrir. Fazer o trabalho de cozinha, se levantar para pegar os pratos e para retirar os pratos. Cuidam das crianças – se houver, e participam da festa deles soltando uma frase aqui e outra acolá, frases que devem se adicionar ao que eles estão tratando. Para conseguir serem ouvidas elas precisam falar no mesmo tom deles (o brado retumbante do dono do pedaço) e falar do assunto deles, e com o intuito de confirmar qualquer coisa esteja sendo dita. A fala delas é só mais um estímulo para eles continuarem a deles.
Eles dão o tom da conversa.
Eles dão os tópicos.
Eles são os protagonistas da história.
Eles ocupam todo o espaço com seu vozeirão, com suas piadas toscas, com seu total desinteresse para qualquer outra coisa que não seja seu mundo.
Seu mundo é uma mentalidade que tem o macho como centro e os valores supostamente masculinos como válidos. Homens com diferentes valores são “bichas”.
Se confirmam reciprocamente.
Mulheres são decoração e serviço. Que deixem seus cérebros de repouso.
Mulheres não podem contradizer esses homens, porque então são “chatas”, “arrogantes”, “egoístas” ou “loucas”.
Mulheres ouvem caladas as besteiras de meninos velhos e imaturos.
Mulheres conversam na cozinha e revelam o outro lado da moeda dos contos do vigário que seus homens arrotam lá fora.
Mulheres: cérebros desperdiçados.

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, inteprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321 www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…