Pular para o conteúdo principal

ESSE AVIÃO NÃO VAI CAIR OU: SAIR DA ZONA DE CONFORTO

Você tem um trabalho sem graça, paga bem, mas não é o que você quer para sua vida, não tem nada a ver com você. Você não se identifica com aquilo que faz, nem com seu estilo de vida. Você devotou seus melhores anos para a família, afinal alguém tinha que segurar as pontas e uma mãe precisa de seu filho tanto quanto este precisa dela. Maternidade é vínculo de duas mãos, poderoso. Você trabalhou mesmo quando seu filho era pequeno demais para estar longe de você, isso lhe deixou profundas marcas. Você passou por depressão, é natural. Pós-parto é hormônios também, a fêmea em você queria exercer seu papel, você não a ouviu e ela emudeceu mas infeccionou. Seu marido é bacana, mas não enxerga o tamanho de seu sacrifício – mas será que você o enxerga?
Você acorda um dia e se dá conta de que a realidade mudou à sua volta e de forma irreparável. Não está ruim, mas não está bom. Você é do tipo de pessoa que precisa ter um motivo para deixar uma situação em busca de outra, não lhe basta simplesmente abraçar e assumir a sua verdade interior, que grita que aquilo não serve para você. Você precisa de razões externas porque não dá valor suficiente à sua voz interior, à necessidade íntima, intrínseca de seu ser que precisa evoluir.
Evoluir é florescer. É um risco, ninguém sabe a priori em que flor se tornará. Evoluir é entregar-se ao chamado interior. Nascemos para aprender, para crescer, nos desenvolver. Ficar na mesma situação por mais tempo do que necessário (para sua evolução) é o mesmo que ficar presos numa jaula. A depressão se faz inevitável e mesmo que você a cubra com mil e uma atividades (mesmo culturais), ela está lá. O agito serve justamente para se distrair do mal-estar que de dentro clama para ser ouvido.
Ouvir dói, mas ouvir liberta. É uma dor que, como a do parto, começa e termina, é saudável, não patológica. É a dor que prenuncia um novo nascimento: o seu. Entrega-se e acredite que este avião não vai cair. E não irá cair pelo simples fato de que é levado por um vento que vem das entranhas do universo, do âmago do ser que está há milhões de anos em seu gigantesco processo de desenvolvimento, que é um desabrochar e um conhecer-se a si mesmo. Você é parte dele. O ser só se conhece e evolui se você lhe der essa chance ao aceitar e abraçar e arcar com sua própria evolução.
Não se trata de ser uma “pessoa melhor”, se trata de ser uma “pessoa maior”. Maior em consciência, visão, coragem, perspectiva e conhecimento. Maior.
Passo-a-passo para o salto:
- Quando disser “sim” para qualquer um que seja, pergunte-se se é isso mesmo que quer dizer;
- Quando tiver vontade de dizer não, observe a tensão que emerge, a ansiedade, o sentimento de culpa. Aguente, não faça nada só observe;
- Quando conseguir dar seu não, observe as consequências dentro de você e continue, porém, fazendo o que queria fazer;
- Repita esse movimento até se tornar mais “normal” e você se tornar mais forte conseguindo sustentar a tensão;
- Dê seu voto de confiança ao que deseja fazer que vem lá do profundo de si: qual é o primeiro passo concreto?
- Seja honesto consigo próprio: cuidado com a auto-sabotagem. O lobo perde o pêlo mas não o vício, o que significa que sair da antiga zona de conforto é um processo que será testado muitas vezes.
- Respire fundo e continue adiante.

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, inteprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321 www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…