Pular para o conteúdo principal

FURACÃO IRMA E SANGUE FRIO

Os recentes acontecimentos ligados ao furacão Irma hão de nos fazer refletir. Diante de um possível perigo, perder a cabeça e se deixar levar pelo desespero é tão prejudicial quanto ignorar o perigo e fazer de conta de nada. Se o perigo for grande, como nesse caso, tendo sido Irma identificado como o pior furacão registrado na história, manter a cabeça no lugar é essencial.
Diante do perigo, hão de ser tomadas as medidas necessárias – e possíveis. Lembrando o “possíveis”! Desesperar-se pensando em soluções impossíveis e impraticáveis é acrescentar mais ansiedade àquela inevitável.
Também, faz sentido ficar fixados em imagens de destruição? É apropriado que as autoridades façam isso para que tomem providências rápidas. É apropriado que os habitantes de uma área em risco tomem conhecimento do tamanho do problema para que se protejam. Agora, ficar vidrados em vídeos e notícias que só aumentam a angústia não é um comportamento inteligente. Deve-se manter-se informados, mas sem se perder no mar de informação e de medo.
Planejar demais pensando em tudo o que se pode perder, preparando-se para o pior, é na verdade tolo. Isso é disfarçar a ansiedade numa capa de racionalidade. Não dá certo porque, em primeiro lugar, assim fazendo a ansiedade se faz incontrolável; e, em segundo, é muito frequente acabar por desperdiçar tempo, energia e dinheiro, porque a ansiedade não permite a mente lúcida e objetiva, muito pelo contrário.
A ansiedade se domina aprendendo a centrar-se, o que claramente é um treino, mas vale saber que é o único jeito (ou enchendo-se de psicotrópicos, e nem assim o resultado será garantido). A pessoa centrada é aquela que está presente ao seu agora, não deixa sua cabeça viajar (na maionese) do futuro. Futuro que ninguém conhece e que deve permanecer em aberto – ou o queremos poluir com as nossas mais funestas fantasias? A pessoa centrada não se deixar levar pelo medo da catástrofe, não é seduzida pela expectativa do pior, mas também não se acomoda num “vai dar tudo certo” de tipo irresponsável.
Nas fases difíceis, é preciso saber viver o momento, não um dia de cada vez, mas um momento de cada vez, para não despencar. Não se trata de imediatismo desconsiderado, mas de presença. É um ancorar-se no presente de forma consciente para saber tomar as atitudes necessárias e aproveitar das oportunidades que se abrem na hora certa.
A famosa frase de Jesus, “Orai e vigiais” significa manter-se confiantes e positivos (ou seja, abertos para o que for em atitude confiante de que haverá um jeito e um meio) e alerta, ou seja, presentes, atentos, o que não tem nada a ver com tensos e preocupados. Atentos, como um animal está naturalmente atento e presente às suas redondezas. Não há liberação de adrenalina nesse tipo de atenção.
Isso é ser realistas: estar no real, no aqui e agora – e não projetados em possibilidades que ninguém pode de fato conhecer.
É fazer tudo o que se pode, e que está ao nosso alcance. É tomar conhecimento da realidade, otimizar nossos recursos e energias, planejar a ação e executa-la como bons soldados, sem desviar o pensamento.
Ser realistas é inclusive aproveitar de qualquer situação para fazer qualquer coisa que se precisa fazer e que na rotina do dia-a-dia fica geralmente para trás. Isso porque a vida vai continuar após- o furacão. Isso é certeza.
Aí você aguarda, centrado. O sangue frio, a mente lúcida.
Se tem solução por que se preocupar? Se não tem solução por que se preocupar? Ditado chinês.
É evidente que esta reflexão também para os outros “furacões” que acontecem em nossa vida.


Adriana Tanese Nogueira
Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, inteprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321 www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…