Pular para o conteúdo principal

TERAPIA DE CASAL: QUANDO FUNCIONA?

Quanto mais íntimo mais difícil um relacionamento será.
O mais íntimo de todos é com filhos, mas existe aí uma “vantagem”. Por um lado, os filhos são subordinados aos pais, portanto, a relação não é entre pares; por outro, os filhos crescem e um dia vão fazer sua vida. Não quero dizer que seja fácil, mas muitas vezes, por sermos os criadores da criatura conseguimos desenvolver ou reestabelecer mais facilmente algum tipo de equilíbrio.
Difícil mesmo é relação entre homem e mulher, e isso por vários motivos.
Em primeiro lugar, há fatores sociais e culturais: relações de gênero têm sido reguladas historicamente por papeis fixos. Assim, Ana tem que fazer isso e aquilo porque é a mulher; Miguel faz aquilo e isso porque é o homem. Esses papeis podem ser mais ou menos flexíveis dependendo da cultura/país/grupo social de origem e oscilam entre sufocantes/cruéis a suportáveis/negociáveis. Se Ana da cultura X casa com Miguel da cultura X, só por isso atritos e incompreensões serão inevitáveis.
Em segundo lugar, temos diferenças de personalidade e estilo de vida. Dependendo de como se entendem os papeis de gênero, elas serão mais ou menos aceitas ou criarão mais ou menos atritos.
Em terceiro lugar, cada um tem seus problemas, traumas, medos, inseguranças, falhas, ignorâncias, dúvidas... como também desejos, sonhos, necessidades, ambições, talentos. O emaranhado de Ana – sobretudo quando Ana não sabe como mexer nele – pode se chocar com o emaranhado de Miguel – sobretudo quando Miguel mal sabe como funciona o emaranhado dele. É como ter dois “computadores” com vírus, o computador Ana e o computador Miguel: ambos são donos-e-computadores, não sabem que têm vírus e não têm a menor ideia do que fazer diante do problema.

Como resolver?
Entendendo que “Homens são de Marte, Mulheres são de Vênuse que, além disso, cada um é um pequeno universo com seu próprio dialético e hábitos, tanto em Marte como em Vênus.
Nesse caso, como se faz a aproximação? Aprendendo a linguagem do outro.
Comunicação é a chave.
Mas infelizmente não é tão simples porque para ela funcionar é preciso partir do pressuposto da diversidade, antes de partir para as acusações.  Se temos histórias de vida diferente, não é natural termos compreensões dos fenômenos diferentes? Hábitos, preferências, necessidades...? Ainda mais numa época como a nossa! Antigamente, Miguel casava com sua vizinha Ana, com quem cresceu, hoje Miguel pode casar com Ana que vem do outro lado da cidade, ou do país, ou do mundo, que estudou em outros lugares, tem outro tipo de família, vivências, visão de mundo...
Terapia de casal é para aprender a se comunicar, a olhar o outro de um ponto de vista mais “holístico” por assim dizer. Ampliar nosso vocabulário, pois, muitas vezes, achamos que nos entendemos sem perceber que, assim como na cultura, uma mesma palavra/gesto/atitude pode ter significados diferentes.
Imaginemos então que Miguel e Ana entenderam isso tudo e decidiram fazer terapia de casal. É preciso agora encontrar um terapeuta – e esse é outro desafio!
Um terapeuta de casal deve ser capaz de compreender os dois pontos de vista. Deve ser alguém que, por assim dizer, conhece tanto Martes como Vênus, e não porque leu livros, mas porque é capaz de compreender “de dentro” a problemática masculina e feminina. Deve ser alguém que saiba enxergar que “comunicação” é uma palavrinha simples que, porém, têm muitas camadas. Não vamos nos iludir.
Um bom terapeuta de casal não promete fórmulas e soluções – sempre haverá desafios em uma relação. Ele é “apenas” o facilitador de um encontro que há de ser genuíno, nascendo de Miguel e Ana como necessidade interior deles de se superar e unir.

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, inteprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321 www.adrianatanesenogueira.org

Comentários

  1. O que tem por trás da relação Sadomasoquista, porque será que as pessoas se prestam aqueles papéis?Isso é natural, é aceitável?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …