Pular para o conteúdo principal

ORIGEM DA BAIXA AUTOESTIMA

Tudo começa lá no passado, tanto desta como de outras vidas. E isso porque quando nos damos conta – ou seja, quando conseguimos reconhecer que nossa autoestima está baixa é porque, evidentemente, ela já está instalada no nosso sistema há muito tempo, como um vírus de computador que, por ter estragado vários programas, denuncia sua presença. E, assim como o vírus, a baixa autoestima altera o funcionamento de nosso sistema. Uma vez que se torna um fato interior, ela vira uma maneira de perceber a si próprios e de viver a vida, uma forma de interpretar os fatos pessoais e sociais, uma forma de fazer escolhas (ou de não fazê-las), um modo de se relacionar e de definir o próprio futuro profissional.

Aconteceu que, em algum momento, você foi aprendendo que o que você tinha a dizer e o que você sentia não era importante. Essa foi sua conclusão, pelo menos, ao ver as reações dos outros à sua volta. Esta foi a interpretação que sua alma deu aos comportamentos alheios. A baixa autoestima começou quando ninguém lhe prestava atenção, o motivo não importa. O que marca e deixa rastros é a experiência. Quando as pessoas próximas, familiares e queridas, de cuja validação precisamos para nos sentirmos aceitos e amados, se importam com o que pensamos e sentimos perdemos valor próprio. Podem nos mandarem calar a boca ou simplesmente nos ignoram, mudam de assunto, desconsideram e minimizam: dá no mesmo porque nos fazem duvidar de nós.

Às vezes, isso acontece porque essas pessoas queridas estão tomadas por seus próprios problemas e não se dão conta de nos machucarem. Outras, porque essas mesmas pessoas repetem conosco o que elas mesmas viveram e aprenderam – ou seja, replicam em nós sua baixa autoestima. Outras vezes, enfim, porque não gostam da gente, de como somos, de nossa personalidade, de nosso cabelo ou sorriso, de nossas ideias ou alegria, ou perguntas. Algo em nós incomoda. Gostar não se controla, se gosta ou não se gosta e nem sempre depende do que fazemos (ou não fazemos).

Assim, numa situação de dependência afetiva, ou seja, de depender da aprovação alheia para nos sentirmos bem conosco, não recebendo essa “benção” nos sentimos desvalidados. Concluímos que não merecemos. Não merecemos porque, portanto, não temos valor. Se quem amamos não nos dá valor... “é porque não temos mesmo”, certo? Assim raciocina uma criança, e todos fomos crianças. Essa é a conclusão imediata que afunda a estima que temos de nós.

Quando nossas verdades hão de ser caladas é inevitável que nossa autoestima seja diretamente afetada. Assim, aprendemos que só podemos expressar o que os outros vão aceitar, o que o contexto no qual vivemos considera válido. Fingimos concordar, queremos poder concordar.

Já que as pessoas queridas de nossa vida (por exemplo, os pais) não dão valor a certas coisas deve ser que elas não têm... Mas, então, por que continuam a aparecer em nossa mente querendo ser pensadas? Nasce o conflito interno, que aumenta a dúvida interna: quem tem razão? Por que somos diferentes? Por que sentimos o que sentimos? O que significa? Sem respostas, mas com a angústia aumentada tentamos esquecer e levar adiante a vida. Assumimos o lado “dos outros”, e colocamos num baú nossas verdades.


Adriana Tanese Nogueira


Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

  1. Me identifiquei muito com esse artigo. Parece que estava falando de mim. A tempos procurava uma interpretação melhor pra mim baixa auto estima. Mas não encontrava algo com que realmente me identificasse. Agora coloquei no google "origem da auto estima baixa". Após a leitura de dois artigos, me "encontrei" nesse. E isso me ajuda!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…