15/10/2017

ORIGEM DA BAIXA AUTOESTIMA

Tudo começa lá no passado, tanto desta como de outras vidas. E isso porque quando nos damos conta – ou seja, quando conseguimos reconhecer que nossa autoestima está baixa é porque, evidentemente, ela já está instalada no nosso sistema há muito tempo, como um vírus de computador que, por ter estragado vários programas, denuncia sua presença. E, assim como o vírus, a baixa autoestima altera o funcionamento de nosso sistema. Uma vez que se torna um fato interior, ela vira uma maneira de perceber a si próprios e de viver a vida, uma forma de interpretar os fatos pessoais e sociais, uma forma de fazer escolhas (ou de não fazê-las), um modo de se relacionar e de definir o próprio futuro profissional.

Aconteceu que, em algum momento, você foi aprendendo que o que você tinha a dizer e o que você sentia não era importante. Essa foi sua conclusão, pelo menos, ao ver as reações dos outros à sua volta. Esta foi a interpretação que sua alma deu aos comportamentos alheios. A baixa autoestima começou quando ninguém lhe prestava atenção, o motivo não importa. O que marca e deixa rastros é a experiência. Quando as pessoas próximas, familiares e queridas, de cuja validação precisamos para nos sentirmos aceitos e amados, se importam com o que pensamos e sentimos perdemos valor próprio. Podem nos mandarem calar a boca ou simplesmente nos ignoram, mudam de assunto, desconsideram e minimizam: dá no mesmo porque nos fazem duvidar de nós.

Às vezes, isso acontece porque essas pessoas queridas estão tomadas por seus próprios problemas e não se dão conta de nos machucarem. Outras, porque essas mesmas pessoas repetem conosco o que elas mesmas viveram e aprenderam – ou seja, replicam em nós sua baixa autoestima. Outras vezes, enfim, porque não gostam da gente, de como somos, de nossa personalidade, de nosso cabelo ou sorriso, de nossas ideias ou alegria, ou perguntas. Algo em nós incomoda. Gostar não se controla, se gosta ou não se gosta e nem sempre depende do que fazemos (ou não fazemos).

Assim, numa situação de dependência afetiva, ou seja, de depender da aprovação alheia para nos sentirmos bem conosco, não recebendo essa “benção” nos sentimos desvalidados. Concluímos que não merecemos. Não merecemos porque, portanto, não temos valor. Se quem amamos não nos dá valor... “é porque não temos mesmo”, certo? Assim raciocina uma criança, e todos fomos crianças. Essa é a conclusão imediata que afunda a estima que temos de nós.

Quando nossas verdades hão de ser caladas é inevitável que nossa autoestima seja diretamente afetada. Assim, aprendemos que só podemos expressar o que os outros vão aceitar, o que o contexto no qual vivemos considera válido. Fingimos concordar, queremos poder concordar.

Já que as pessoas queridas de nossa vida (por exemplo, os pais) não dão valor a certas coisas deve ser que elas não têm... Mas, então, por que continuam a aparecer em nossa mente querendo ser pensadas? Nasce o conflito interno, que aumenta a dúvida interna: quem tem razão? Por que somos diferentes? Por que sentimos o que sentimos? O que significa? Sem respostas, mas com a angústia aumentada tentamos esquecer e levar adiante a vida. Assumimos o lado “dos outros”, e colocamos num baú nossas verdades.


Adriana Tanese Nogueira


Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Nenhum comentário:

Postar um comentário