Pular para o conteúdo principal

POR QUE FAZER TERAPIA

Quando seu carro dá problemas, você vai ao mecânico. Se seu computador tem vírus você recorre a um técnico. Uma perda no encanamento o faz chamar um encanador.
Claro que em primeiro lugar você irá tentar consertar por sua conta e isso por, pelo menos, dois motivos: porque você economiza dinheiro e tempo. Você quer soluções rápidas, ainda mais nos tempos atuais quando basta clicar um botão para mudar de página, de site, de filme, de assunto. E também porque tendemos naturalmente a evitar mexer naquilo que pode continuar do jeito que está, com somente pequenas mudanças.
Entretanto, quando o problema persiste e na falta de conhecimento suficiente, temos que recorrer a um especialista. O que acontece quando somos nós a “dar problemas”? Quando nós não estamos funcionando bem? O especialista para esse tipo de problema é qualquer um que exercer a arte e a ciência da terapia.
Terapia é arte e ciência. Enganam-se os que acreditam nela como ciência, pois a psique humana tem mostrado tamanha complexidade e pluralidade de sentidos que a ciência é incapaz de abrangê-la por completo. Existem muitos tipos de terapia, todos voltados a promover um bem-estar que é essencial não só para o nosso funcionamento diário, quanto para nossa felicidade.
Da mesma forma que o técnico de computador é chamado porque nossos conhecimentos são limitados, o terapeuta entra em cena porque nossos conhecimentos a respeito de nós mesmos e da nossa situação não dão conta de resolver o que está nos perturbando.
A confusão na qual se cai com frequência é que temos dificuldade em conceber a possibilidade que outra pessoa que não nos conhece possa saber mais de nós do que nós mesmos. Como assim, dirá João? Eu sei de mim. Eu já passei por isso, eu resolverei isso.
E “isso” não se resolve. “Isso” é procrastinado até a feridinha se tornar um câncer. Sim, porque os problemas psicológicos, assim como as feridas no corpo, pioram quando não se cuida deles, e pior, os se maltrata e desconsidera.
O que precisamos entender é que o terapeuta não necessariamente sabe mais a respeito de nós mesmos. O terapeuta sabe mais a respeito de como funciona a psique humana e – o que é ainda mais importante – não está preso (ou não deveria) nos arcabouços conceituais que definem “o que é e o que não é real, verdade, certo”.
Pensemos com calma. “Ter um problema” já é uma interpretação, já espelha uma forma de ver a realidade e de se entender como gente. Nossa forma de ser é também o resultado do meio no qual crescemos e vivemos. Com o tempo acontece de mudarmos, e de precisarmos, portanto, nos livrar do que impede nosso crescimento. Aí surgem alguns de nossos “problemas”.
Ao surgirem novas necessidades, geralmente, o sistema anterior de interpretação que usamos não funciona. Uma terapia pode ajudar a dar o salto, a abrir as asas, a conseguir usar o “problema” para dar um upgrade grande na vida.
Dependendo do que se quer e da consciência que se tem, é importante buscar uma terapia que saiba ir à raiz do “problema”, quando mais “radical” for (ou seja, souber chegar a raiz da questão em pauta) maior o salto que você dará, maior sua realização expressão e o manancial de possibilidade que lhe se abrem na vida.


Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…