Pular para o conteúdo principal

A BELEZA DO CORPO

Quando olhamos para o nosso corpo vemos geralmente algo imperfeito, que dá trabalho, que não se comporta como gostaríamos, que nos faz passar vergonha.
Os que têm consciência, força de vontade e perseverança, cuidam desse corpo com alimentação saudável e exercício físico. Academia, dietas, veganismo, produtos orgânicos, contas astronômicas em opções de vida saudável...
Mas o corpo não é simplesmente matéria que ora tratamos mal, ora tentamos dele cuidar para nos servir melhor. Estamos, desta forma, sempre no mesmo paradigma: o corpo visto como um objeto encapsulado em nossa mentalidade do qual exigimos que se adeque às nossas expectativas.
E se o corpo se recusasse?
E se o corpo fosse um verdadeiro animal que como todo animal tem suas próprias vontades, necessidades, alegrias e tristezas?
Pois então é exatamente isso: o corpo é um organismo vivo, vivo e vibrante. Matéria que sente, que percebe, que busca, que respira suas felicidades e tosse suas rejeições. Um animal que quando enjaulado fica deprimido e quando livre se sente feliz.
A liberdade do corpo é a alegria do corpo, e a pessoa dona daquele corpo se percebe feliz, sem nem saber porquê. Músculos vivos que podem realizar sua função formam um corpo feliz. Um estômago e intestino que não foram sufocados por alimentos e bebidas tóxicas estão leves e o nutrimento que recebem rapidamente se transforma em energia que corre pelas nossas veias, nos enchendo de vontade de viver.
A vida é movimento. É movimento físico. Quando vemos uma criança brincando ao ar livre, correndo atrás de um papagaio (ainda se faz isso ou estão todas com a cabeça baixa olhando para a tela de um celular?), sorrimos. Aquela imagem nos faz pensar em como é boa a infância... Mas naquela imagem vemos na verdade a leveza de uma criança cujo corpo não está pesado e lerdo por causa da vida sedentária e monótona, que achata traseiros, dobra colunas, cria papos e incha as pernas. Na criança que corre solta, vemos a vida regozijando-se de si mesma.
Mas podemos conseguir essa experiência de energia vital fluindo livremente pelo nosso corpo em qualquer idade, se somente aprendermos a ouvir o nosso corpo, esse magnífico animal que habitamos, que a mente racional invadiu.
Esse nosso corpo tem uma história de milhões de anos, é o produto sofisticado de uma evolução incansável que a partir de muitas tentativas e erros foi aperfeiçoando-se na carne viva desse nosso corpo. Temos os mesmos instintos de nossos amigos animais, a mesma sabedoria armazenada em milênios. Mas não ouvimos mais esse corpo, não prestamos atenção às suas necessidades. Estamos sempre mais alienados dessa força vital tão poderosa quanto maravilhosa.
Um grande amante do corpo, Alexander Lowen, fundador da Bioenergética, escreveu um livro chamado em inglês Joy: The Surrender to the Body and to Life, traduzido em português como A Alegria do Corpo. O título original em inglês é mais incisivo: a alegria nasce de nossa entrega ao corpo e à vida. Esquecemos tão facilmente, nessa sociedade tecnológica e racionalóide, que a vida é física, é ar, é verde, é água, é... movimento.
Ao querer cuidar do corpo, tentemos olhar para ele como um organismo vivo, que fala sua língua e que nos cabe aprender a entender. Ao escolhermos as atividades físicas vamos priorizar aquelas que promovem a consciência corporal amorosa e sensível. Atividades que nos situem em nós mesmos, que nos façam sentir em casa, que nos ajudem a sentir nosso corpo não só a treiná-lo para encapsulá-lo em nossos ideias. Um bom exercício físico (qualquer que seja) é aquele que nos conecta conosco, nos fazendo sentir inteiros e mais felizes.

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…