Pular para o conteúdo principal

A CRISE DOS HOMENS E SUA EVOLUÇÃO

O patriarcado está desmoronando. Os sinais da perda de força são visíveis nas reações dos homens diante de suas mulheres que, ao contrário, estão se fortalecendo. Eles as temem, e muitas vezes as sabotam e as invejam.
Apesar das dificuldades, as mulheres avançam. Entre lágrimas e desilusões, noites mal dormidas e preocupação com os filhos, com o dinheiro, com a carreira, elas avançam. Custa-lhes caro. Só elas sabem o quanto.
O modo automático do homem patriarcal funcionar é o de estar focado em si e nas próprias necessidades, não no outro, não nela. As crianças, também, não são assunto direto dele, nem as questões sentimentais, tanto da mulher como dos filhos.
Um homem patriarcal é “o dono do pedaço”. Sua mentalidade dita a política da casa – as orientações para a família. Não importa se seu modo de pensar é avançado ou retrógrado. O fato de ser dele o torna legítimo. Diante do que ele falar, mulher e filhos têm cautela em suas reações, mesmo que as considerem bobagens. Mas “ele” falou. Pode estar numa relação por décadas e mesmo assim estar basicamente focado nele e nunca de fato saber o que sua mulher realmente pensa, precisa, deseja. O patriarca exige ser servido: roupa lavada, comida e sexo. E quer submissão, porque “sabe mais e melhor”.
As opiniões que esse tipo de homem respeita vêm do mundo masculino e/ou da cultura estabelecida. Ele é fiel ao sistema. Rejeita por princípio tudo o que for alternativo e diferente, e certamente tudo que vier de uma mulher – a menos que ela espelhe a cultura dominante. Esse homem tende, portanto, a ser convencional e passivo diante do status quo.
Na verdade, ele teme mudanças. Defende-se da revolução cultural e social que as mulheres trouxeram nos últimos 60 anos. Por isso, as sabota impedindo-lhes de crescer e se desenvolver, criando percalços, desgastando-as e tirando-lhes energia e tempo. Ele teme descobrir que por trás da cascona grossa do macho há um menino assustado e perdido, que não sabe o que fazer.
Ser homem, porém, é muito mais e muito melhor do que ser esse tipo de macho patriarcal, com seus absurdos e feridas. Assim como ser mulher é muito mais do que ser Amélia que passa sua vida entre cama, cozinha e roupa lavada. A transição de identidade é um processo lento e difícil, mas profundamente necessário que muitos homens já estão reconhecendo.
São necessárias duas condições para desencadear esse processo: integrar a própria subjetividade, trabalhar o coração, aprender a linguagem das emoções, olhar-se dentro, desenvolver intuição e percepção de si. Encontrar a dor, os traumas, o sentimento de abandono e transforma-los. Encontrar o menino assustado e cura-lo, podendo assim conhecer o homem maduro, cheio de novas potencialidades. Superar o orgulho do macho que impede de enxergar a própria vulnerabilidade. O guerreiro não é quem não tem medo ou não sente dor, é quem é mais forte da própria fragilidade.
A segunda condição é que as mulheres parem de ser meninas desamparadas e assumam não só o comando de sua vida como a responsabilidade da liderança nesse momento histórico. Não estamos diante de um problema pessoal de João e Maria, mas de uma transição histórica de homens e mulheres desse planeta. Portanto, ao continuarem evoluindo, as mulheres superam também esse lugar de vítima ou de quem aguenta tudo (dois lados da mesma moeda).
Por sua vez, os homens precisam aprender a aprender. Com humildade, e sem humilhação. E a única pessoa que pode ajuda-los nisso são suas mulheres: desmontando o trono que elas construíram para ele. Sem drama, com clareza, amor e determinação. Pois ninguém desce de um pedestal por sua espontânea vontade.


Adriana Tanese Nogueira
Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …