Pular para o conteúdo principal

A CULPA QUE NOS PERSEGUE

Você é o tipo de pessoa que pede desculpas o tempo todo? Que agradece quando deveria ser agradecido? Que fala baixo quando deveria se fazer ouvir? Que questiona seu direito a qualquer coisa por medo de “incomodar” os outros?
Se você é esse tipo de pessoa, saiba que seu problema é culpa. Você está se sentindo culpado. Pelo quê? Você mesmo pode não saber. É muito provável que não haja nenhum motivo aparente, que nada tenha acontecido recentemente ou nada com aquela pessoa e naquela situação. Entretanto, você se comporta como se você estivesse carregando uma culpa que te tolhe o direito de ser, de ter, de conseguir, de querer, de obter, de poder.
Esta culpa vem de algum lugar do qual você perdeu a memória. Você tem objetivos e vontades, seus desejos são fortes e determinados e, entretanto.... algo te bloqueia. Sem querer, sem perceber você se sabota, falha o compromisso, perde tempo, dinheiro, energia, foco. Você briga com você mesmo, mas não resolve nada. Algo te segura, na última hora, algo indefinível e sutil, mas terrivelmente efetivo!
O que é? É culpa.
Carregar uma culpa significa que se pecou, que estamos manchados por um pecado que cometemos e, portanto, precisamos penar, nos purificar, pagar. Carregar uma culpa significa não merecer. Não merecer dinheiro, felicidade, amor, realização, paz de espírito.
A doutrina cristã é uma das fontes mais antigas e consolidada que fala e explica a culpa. A culpa de ter desobedecido a Deus. Mas na vida individual de cada um, onde está essa culpa? Pagar por algo que nem sabemos o que é não faz sentido. Ninguém quer isso. A vida passa e nos atrasamos o tempo todo...
A psicologia traz algumas explicações. Em primeiro lugar, a culpa pode vir de não nos sentirmos merecedores de viver porque nossa mãe não nos quis, ou ela estava ocupada e distraída demais para cuidar de nós, porque fomos um fardo... Em segundo lugar, a culpa pode vir de um pai que não prestou atenção na gente e nos fez sentir invisíveis. Não merecíamos fazer parte da família. Também tem a culpa que vem do ser diferente, desde a família. Diferentes com relação àquilo que a família queria de nós, até mesmo, por exemplo, que não incomodássemos. E nós “incomodamos”... porque precisávamos deles – como toda criança.
Depois tem a culpa que vem do ser diferente dos amigos, do grupo social: ter uma outra forma de ser, de pensar, de sentir, de passar o tempo. O social exercita um profundo efeito nivelador, massificador e, portanto, castrador. Tudo o que não cabe dele é desvalorizado e negado (é a amplificação do que começou em família). Quando se possui alguma característica que não se enquadra no nosso ambiente social e que não conseguimos reprimir sem custos altíssimos para nós, eis que somos culpados por rompermos a harmonia do grupo, o “barato” dos outros.
Mais fundo ainda há culpas que vêm de outras vidas, tanto porque carregamos essas mesmas culpas acima mencionadas que viraram uma bola de neve, tanto porque podemos ter acabado fazendo algo que nos custou a vida, ou custou a vida a outras pessoas. Numa análise histórica objetiva poderíamos descobrir que não necessariamente o que fizemos ou deixamos de fazer seria considerado um pecado, uma falha, uma irresponsabilidade. Talvez não houvesse alternativas... ou talvez sim. Fato está que do ponto de vista subjetivo, individual e íntimo de cada um o que aconteceu é percebido como culpa. Nada é mais doloroso e tirano do que nosso dedo acusador contra nós mesmos. A culpa permanece pela eternidade afora até que...
Até que não tenhamos a coragem de enfrentar esse “monstro” interior – talvez para descobrir que por trás das aparências assustadoras tem um gatinho precisando de colo. Mas enquanto isso, irá agir como um trickster que atropela tudo de melhor que queremos alcançar.

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…