Pular para o conteúdo principal

ADAPTAR-SE OU NÃO ADAPTAR-SE: EIS O PROBLEMA


Para estarmos no mundo e para realizar algo nele precisamos estar a ele adaptados. “Adaptados” significa conhecer os modos do mundo (leia-se sociedade na qual estamos, grupo, ambiente social), ter familiaridade com o estilo de vida, a linguagem, os valores e objetivos do coletivo no qual estamos inseridos e saber navegar nele como um peixe no mar. Se não soubermos nadar nessas águas não poderemos ter sucesso nelas.
Portanto, estar adaptado significa estar bem encaixado numa família, num grupo, no sistema social, na empresa, na escola. Para conseguir isso é preciso se aproximar o mais possível do mínimo denominador do grupo (os valores e objetivos de fundo nos quais todos se reconhecem) e minimizar aquelas características que criam a diferença e que pertencem à unicidade individual. Assim, por exemplo, os grêmios de futebol têm como mínimo denominador a torcida por determinado time, que é inclusive a razão pela qual existe. Todos que pretencem a ele estão juntos por isso e se unem em nome disso. Daí, quanto mais um indivíduo se adaptar ao estereótipo de torcedor daquele time, mais adaptado ao grupo ele será. Será mais facilmente reconhecido, será menos problemático aos outros e provavelmente terá mais amigos. Mas ele será também mais estereotipado. Outro exemplo: peguemos uma família na qual comer (ou ter eletrônicos) é o mínimo denominador: partilhar mais refeições possíveis e, portanto, comer muito do tipo de comida daquela família, faz com que você seja aceito e se sinta parte integrante dela. E têm as atitudes sociais, posturas de status, raciais, de classe e ideológicas: quanto mais uma pessoa abraçar valores comuns sem perplexidade e sem questionamento mais próxima do centro do grupo será e, portanto, obterá as vantagens do apoio do grupo. Mas também será mais estereotipada e, assim, menos si mesma.
Se olharmos para a sociedade como um todo, vemos que os mais adaptados são os que assumem como próprio o ideal de felicidade e de bem-estar que está vinculado “aos modelos e regras da cultura vencedora”.
Agora, pergunte-se qual é a cultura “vencedora”, ou seja, a dominante, de seu contexto familiar, social e nacional? Pode ser que você não consiga responder a esta pergunta porque você está tão bem adaptado ao seu meio que sequer percebe como ele é, porque para você é a “normalidade”,  é “como as coisas são”. Então, pense em alguém que conhece do qual o seu grupo não gosta, alguém que crie “problemas”, que está insatisfeito... Essa pessoa, não está bem adaptada, está sofrendo no lugar onde está. Certamente não está se sentindo compreendida, talvez brigue ou está irritadiça, incomodada, triste, inconformada, talvez você mesmo se sinta assim sob a fachada de alegria e paz... A pessoa bem adaptada é aquela que se conformou e se identificou ao modelo social que uma coletividade assume como referência e padrão – mas que não necessariamente a fará feliz porque não necessariamente é o que ela precisa.
É sempre importante, portanto, quando falarmos em “adaptação” que nos perguntemos: “adaptação ao quê?” Charles Darwin, o descobridor da evolução das espécies, deve ser entendido criticamente quando o queremos aplicar à realidade humana. Todas as sociedades têm modelos do que é ser cidadão, um homem, uma mulher, uma criança, uma pessoa de sucesso e, consequentemente, em pessoa fracassada. Abraçar e encarnar esses padrões sem pensar duas vezes é o que se chama de adesão a-crítica ao modelo. Se por um lado isso nos garante a adaptação, por outro nos achata a um estereótipo, o que significa reprime nossa unicidade e originalidade. E daí para que serve sermos adaptados se não podemos expressar nossa verdadeira identidade?
Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …