Pular para o conteúdo principal

O VÍRUS DO ALCOOLISMO

O alcoolismo é um vício e é uma doença. É a mais fiel materialização do inferno na terra (fora as condições de guerra).
Alcoolismo significa instabilidade emocional, agressões inesperadas que te pegam de surpresa e te traumatizam. Significa exageros, perdas vitais de energia e poder pessoal. Promove o medo e o terror, o abuso psicológico, a violência física até o assassinato e o suicídio, a depressão e a ansiedade para a vida toda.
O alcoolismo engana e é traiçoeiro, dissimulado, disfarçado, sombrio e diabólico. Se esconde nas malhas e nas entrelinhas de palavras, problemas reais e fictícios, comportamentos. Adiciona aquele tempero picante que pode transformar qualquer situação, mesmo a mais singela, num drama absurdo e surreal, numa situação irracional e insensata que não faz sentido e que, entretanto, nos enreda, prende e sufoca.
O alcoolismo é como um vírus de computador. Primeiro, você não percebe que o pegou. Segundo, ele vai atuando no sentido de comprometer (leia-se: distorcer) todos os teus programas (leia-se: modo de pensar, sentir, interagir, viver a vida, interpretar os eventos, agir, escolher, priorizar). Você começa a se acostumar a certos desvios de funcionamento do sistema. Você empurra com a barriga porque não parece tão grave, dá para continuar vivendo. Terceiro, um dia fica evidente que algo de fato está errado com seu computador. Você bufa, que chateação. Mandar para o técnico dá preguiça, vai demorar e você não quer ficar sem o computador. Vai custar e você não quer pagar o preço. Enfim, teme que possa estar tão prejudicado que deverá jogá-lo fora, teme que não haja mais solução... e você não quer comprar outro, ou não tem dinheiro para isso ou não quer encarar o transtorno.
Aí você continua usando-o, aceitando suas limitações. O que faz com que você tenha que desistir de certos programas (leia-se: projetos, sonhos, atividades, desejos), restringir suas ações, contornar os obstáculos e, enfim, usar (leia-se: viver) o que dá. Obviamente, você espera que fique por isso mesmo. Afinal, você quer continuar sua vida, fazer suas coisas, não está a fim de parar tudo para cuidar do computador! Você não faz ideia – e na verdade não quer fazer ideia – de que está limitando de forma severa e cheia de consequências suas opções no uso do computador, portanto, suas opções de expressão, de atuação, de realização. Você aprende a usar o que é possível, aceita o limite e não percebe que você mesma começa a se configurar de acordo com as possibilidades do computador bichado... até um dia em que se sente sufocada! Até o dia em que parece que vai explodir.
O vírus te atingiu. O que era um pequeno distúrbio virou um monstro. Uma bestialidade que invadiu a tua vida de muitas formas, algumas explícitas e diretas, outras sutis, dissimuladas e traiçoeiras. Você está presa. Você precisa agora iniciar o caminho da sua libertação.
O alcoolismo não tem cura, mas nem por isso é preciso viver no inferno. Sua vida tem cura e cabe a quem vive mal com o alcoolismo buscar respostas para promover saúde e superação em sua vida.

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321


Nota: Para todos os familiares de alcoólicos que sofrem cotidianamente por causa do alcoolismo de um ente querido abri uma página no facebook para dar suporte, favorecer a troca, promover a saúde mental, emocional e espiritual. Este é o link do grupo: https://www.facebook.com/groups/1989245737982482/?source=create_flow. É preciso pedir para entrar, o grupo é fechado.


Para quem busca ajuda, orientação, suporte e esclarecimento porque está lidando com alguém que bebe demais: 

O Vírus do Alcoolismo.
Quando o amor encontra a sua sombra

Guia prático para familiares de alcoólicos
130 tópicos em ordem alfabética
Com indicações de Florais de Bach


Clique aqui para saber mais ou comprar o livro, disponível em PDF, e-book e impresso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …