Pular para o conteúdo principal

POR QUE AS CRIANÇAS PARAM DE COMER?

Comida: tão necessária fisicamente e tão cheia de outros sentidos. Isso porque a comida está vinculada diretamente às nossas emoções.
Não ter apetite muitas vezes não significa não ter fome, mas não ter vontade de comer, vontade de colocar alimentos dentro de nós. E esta é uma metáfora que precisa ser compreendida bem por mães e pais que acabam por se sentir desesperados com seus filhos que de uma hora para outra (assim parece a eles, de qualquer forma) param de comer – inclusive as “porcarias”. Não adianta fazer sermões, tentar seduzir com outras coisas, ameaçar, barganhar, chorar. Primeiro, é preciso entender o que esse gesto significa.
E começamos com entender o que é uma metáfora. Quando, por exemplo, dizemos “estou com borboletas no estômago” não estamos afirmando que temos reais borboletas no estômago, mas usamos uma imagem, a de borboletas voando pelo nosso estômago, para representar uma emoção. No caso, a emoção do estar na ansiosa e feliz expectativa por algo de bom que nos anima e alegra. Nosso estômago está de verdade tenso, mas se trata daquela tensão leve como que da vibração de delicadas asas de borboletas contra as paredes de nosso estômago, o qual é por sua vez símbolo porque é tanto o estômago real como representante de nossa alma, de nosso coração. Numa só imagem queremos dizer muitas coisas, tanto que o estômago está tenso, mas que não é a tensão dolorosa do medo, que trava e petrifica, nem o espasmo do susto, como que estamos alegres e que sentimos a agitação interna como um leve borboletear que nos acaricia e nos eletriza.
Comer, assim como não comer, também é uma metáfora. Comemos o mundo que está à nossa volta. Os alimentos são pedaços do mundo externo que botamos para dentro, que ingerimos, assimilamos, integramos. Precisamos dessa troca para continuarmos vivos e nos desenvolvermos; toda mãe zela por isso.
Mas agora... e se não quisermos introjetar esse mundo? Se os conteúdos externos não fossem comestíveis para a jovem alma que, portanto, os rejeita?
Os alimentos precisam nos agradar, não só ao paladar, mas à alma. Eles representam mais do que comida material, representam o mundo material e não do qual vêm. Comer comida é comer o mundo, mas quando o mundo não é gostoso, não atrai a alma temos duas opções: ou comer demais ou não comer. As crianças que param de comer são as mais sensíveis, são aquelas que estão, lá no fundo de si mesmas, inconscientemente, se questionando a respeito de sua realidade: família, escola, sociedade.
Dependendo da idade e da maturidade da criança, o questionamento pode ser mais ou menos ligado à família, mas em todo caso se trata de um jovem ser que começou a vislumbrar o “mundo”: sua mãe, seus pais, seus colegas, o sistema escolar, os adultos, a sociedade... E não está feliz com o que vê e sobretudo não sabe como digerir essas coisas. Faltam-lhe as condições para assimilar esses conteúdos pois ele não tem os “dentes”, outra metáfora para representar as condições cognitivas e emocionais para processar uma experiência, interna ou externa. Como entender isso? Como aceitar aquilo? O que significa isso? O que vou fazer com aquilo? Como acreditar nisso e viver aquilo? Como posso gostar disso e lidar com aquilo? Como viver?? Afinal: como viver?
As crianças enxergam os adultos, seus pais. Elas percebem a realidade deles, assim como vão aos poucos sentindo mais claramente a si mesmos como individualidades. Segue naturalmente a pergunta sobre como inserir-se nesse mundo. Como lidar com tantas variáveis, algumas cruéis, difíceis, tristes. Como fazer?
Como comer esse mundo sem ser por ele comidos?

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …