Pular para o conteúdo principal

MUDAR: COMO?

A medida da inteligência é dada pela capacidade de poder mudar quando for necessário.
Anônimo

Você quer mudar algo em sua vida, mudar seu marido (mãe, pai, filho, esposa), mudar sua realidade. Você tenta, você entra em conflito ou não sabe como obter o que quer. Isso acontece porque a mudança deve ocorrer dentro de você antes que seja visível por fora, antes que se manifeste numa nova realidade. É muito fácil olhar para fora e ver o que está errado. Podemos certamente ter razão, mas para realizar a mudança é preciso que nós primeiro mudemos por dentro, caso contrário ficaremos na lamentação sem fim, nos achamos azarados ou vítimas. Ou então ficamos na cobrança, exigindo da outra pessoa mudanças na base de marteladas (discussões e brigas sem fim).
Estes comportamentos só expressam a confusão na qual você se encontra. Você acha que sabe o que precisa mudar, mas o fato de não conseguir realizar demonstra que na verdade há confusão.
Consciência é tudo. Sair correndo de uma situação sem ter desenvolvido uma nova consciência não é uma boa solução. Só podemos de fato sair de uma situação porque crescemos para além dela. Este “crescimento” não é obviamente físico, portanto, a única alternativa é de consciência, a qual é composta ou se manifesta ou é estimulada (tudo isso junto) pelos seguintes itens[1]:
·      Mudança de pensamento e aquisição de novos conhecimentos.
·      Mudança do ponto de vista: ousar novas perspectivas sobre a mesma realidade. Permitir-se enxergar coisas novas e/ou sob um novo ângulo.
·      Mudança de atitude: a responsabilidade sobre nossa vida é nossa, e é por isso que o único poder que temos de mudança é o de mudarmo-nos. É preciso reconhecer as atitudes e os padrões de comportamento que criam dor e desapontamento para que possamos transformá-los em algo diferente, mais consciente e útil para construir o novo.
·      Mudança de hábitos: vontade e disciplina em querer realizar mudanças em nossa vida nos permitirão modificar os hábitos que nos limitam e que não nos fazem felizes. Precisaremos de coragem e confiança, qualidades indispensáveis para mudar hábitos arraigados em nós. Às vezes, sair da zona de conforto, onde tudo está prazerosamente programado e definido, é difícil, mas muito mais perigoso seria permanecer nela.
·      Mudança de espírito: muitas vezes, a mudança dá medo e por isso nos bloqueamos, nos impedindo de fluir na mudança e ficarmos entusiasmados. O entusiasmo é o motor de grandes mudanças, precisamos deixar que atue e não permitir que palpites e medos nos inibam. Quando se acede à dimensão mais essencial da gente, a vida se torna mais alegre e mais profunda, o coração abre e melhora o estado de presença interior.
·      Mudança de vibração: cientificamente falando, isso significa mudar a nossa frequência de modo a atrair novas coisas. Quando acontece uma mudança vibracional, ocorre um salto quântico (de consciência). Pela lei da atração, atraímos em nossa vida as pessoas com as quais entramos em “ressonância”, portanto ao mudar a vibração mudamos a realidade à nossa volta. Lembremos que uma vibração baixa também estimula a vibração baixa da outra pessoa, enquanto que uma vibração mais elevada estimula a vibração mais elevada da outra pessoa. Queremos mudar os outros? Mudemo-nos!
Mudar é transformar, ampliar, elevar. Portanto, ampliando o ponto de vista, aumentado os conhecimentos, expandindo a consciência iremos desmascarar as ilusões que nos prendem.

Adriana Tanese Nogueira
Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…