Pular para o conteúdo principal

O ORGULHO

O orgulho é a estima excessiva que se tem por si mesmos e pelos próprios merecimentos e/ou capacidades. Isso unido à gratificação que vem da afirmação de si ou do grupo com o qual a pessoa se identifica, ou da afirmação de um resultado importante que foi alcançado. O orgulho se manifesta também quando nos recusamos a seremos desmerecidos gratuitamente ou denegridos pelos nossos defeitos. Orgulho desmedido toma o nome de soberbia; o orgulho sem motivo pode ser reconduzido à vaidade e à arrogância.
Percebemos por esta breve descrição do significado do termo que nem tudo deve ser jogado fora quando falamos em orgulho, apesar de, na doutrina cristã, ser considerado um dos sete pecados capitais. Porém, se não tivermos um mínimo de orgulho de nós, como faremos a sobreviver na selva da competição desenfreada da realidade social atual que passa por cima de qualquer coisa, valor ou pessoa?
Tendo afirmado, portanto, que uma pitada de orgulho é importante na composição total da personalidade de cada um, devemos reconhecer que facilmente o orgulho se torna um obstáculo dos mais desagradáveis nas relações de todo tipo. Sob o efeito do orgulho, a razão perde a razão!
Vejamos como o orgulho que beira a arrogância e a soberbia funciona:
Querer sempre ter a última palavra
Para a pessoa orgulhosa a discussão sobre um assunto, um tema de qualquer tipo, é o pretexto para demonstrar a própria supremacia. A conversa é basicamente um jogo de poder: vence que termina este dialogo fingido, pois dialogo de verdade não é.
Não questionar-se
Somente o forte sabe questionar-se. A força autêntica nasce de um lugar interior que está além do ego e que nos permite sermos maiores de nossas próprias ideias. O orgulhoso não possui esta grandeza.
Querer dominar o outro
O objetivo do orgulhoso é dominar, não importa como, quanto ou sobre quem.
Sentir-se superiores
A pessoa orgulhosa está convencida de estar acima de seu interlocutor, geralmente sequer o percebe, portanto, não vai entender por que seus relacionamentos não andam bem.
Acreditar que se tem sempre razão
O dogma do orgulhoso é este: ter sempre razão.
Culpar o outro
O ego desmedido não admite errar, portanto a culpa só pode ser sempre do outro. Este é um dos sinais que marca o começo do fim de uma relação.
Nunca pedir desculpa
Quem vive de orgulho, vive para vencer e cada vitória que se respeite não admite atitudes de perdedores. Pedir desculpa parece ser um gesto de perdedores, o orgulhoso não sabe fazer isso.
Mostrar desdém
As expressões faciais do orgulhoso estão entre as mais irritantes. Difícil não perceber, porque o desdém transforma os traços do rosto da pessoa, tornando-a muito desagradável.
Nunca negociar
Pedir a um orgulhoso para negociar, para chegar a um meio termo é como exigir demais, ele não muda de ideia até porque nem sabe o que isso significa.
Não baixar o olhar
O orgulhoso adora desafiar o adversário e se impor com o olhar. Baixá-lo significaria se deixar subjugar e, portanto, perder. Para ele esta também é uma forma de autoafirmação, já que vive tudo como competição até o último sangue.
Insultar com palavras pesadas
O soberbo não admite repreendas e insultos de qualquer tipo, mas ofende o outro com palavras pesadas, mesmo quando não se sente diretamente atacado. A sua é uma dupla moral: ele pode se permitir tudo, o outro deve calar.
Concluindo: o orgulho desmedido é dos fracos. Somente quem tem baixa autoestima irá querer dominar o outro, tanto no olhar como na palavra e no comportamento. Orgulho e amor não funcionam bem junto: um se separa, o outro quer união.

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …