Pular para o conteúdo principal

SOCIOPATIA COMO DISTÚRBIO E CULTURA

A sociopatia ou distúrbio antissocial de personalidade é uma condição psicológica ainda pouco compreendida, pois sua realidade é mais complexa do que parece. Só a menção da palavra assusta e se tende a recuar diante de um sociopata, entretanto, por incrível que pareça, o sociopata não necessariamente tem sentimentos malévolos com relação aos outros. Seu problema é que ele tem muito pouco sentimentos verdadeiroscom relação aos outros em geral. O efeito disso é que seu comportamento acaba sendo indubitavelmente malévolo, mas não porque ele teve esta intenção.  
As causas da sociopatia são ainda desconhecidas.Parece que uns 50–65% dos casos podem ser atribuídos à hereditariedade, enquanto a percentual restante é relacionada a um complexo e confuso conjunto de fatores ambientais. Note-se, porém, que um histórico de violência e abuso na infância nem sempre está presente entre os sociopatas. 
A sociopatia é uma patologia que diz respeito à dimensão social. O indivíduo não sabe conviver em meio aos outros, de forma harmoniosa ou mesmo que permita que o coletivo, o conjunto humano, sobreviva e prospere. Por que? Porque ele está focado em si e em seu interesse imediato. Esta atitude é infelizmente muito comum, mas no sociopata transborda na patologia.
Quais são os principais traços do sociopata?
·     Desprezo pelas leis e costumes sociais 
  • Incapacidade de reconhecer o direito dos outros
  • Incapacidade de sentir remorso ou sentimento de culpa
  • Falta de empatia
  • Dificuldade nos relacionamentos
  • Manipulação
  • Engano
  • Hostilidade
  • Tendência a assumir comportamentos e atitudes violentas
  • Irresponsabilidade
  • Impulsividade
  • Comportamentos arriscados
O traço comum de muitos desses distúrbios reside em umdefeito de consciência.Isso significa que o sociopata não se dá conta do que faz, e apresenta uma condição psíquica que, de alguma forma, lhe impede de se dar conta do que faz. Logo, ela continuará cometendo atos que prejudicam os outros potencialmente para sempre, se não for impedido por força externa. Ele não aprende com os seus erros, não reconhece o sentimento ferido da outra pessoa, não percebe a dor que causa, não empatiza com as lágrimas que ver escorrendo no rosto da pessoa que o ama. O sociopata não tem nenhum verdadeiro vínculo com a outra pessoa, não sabe o que é amar e confiar, termina frequentemente numa prisão sem saber muitas vezes o porquê. Não entende, separado como está das pessoas “normais”. 
A terapia pode ajudar a suavizar alguns sintomas e efeitos colaterais da sociopatia, sobretudo nos casos menos graves. Mas não é comum que um sociopata busque ajuda profissional e isso justamente porque há de base um defeito de consciência. Ele pode perceber que tem algum problema, vê que acaba sempre em situações difíceis, que sua esposa não está feliz com ele e no trabalho há atritos, mas... ele culpa os outros ou as circunstâncias. 
A sociopatia como distúrbio psiquiátrico é, a meu ver, o caso extremo e triste, de uma realidade presente no nosso dia-a-dia e que chamaria de “sociopatia cultural”. Quando somos socializados a não prestar atenção à dor nossa e alheia, quando somos criados para desviar o olhar da injustiça, quando seguimos valores que implicam em crueldade e ausência total de empatia para com o planeta e todas suas criaturas: nós estamos endossando e sofrendo de “sociopatia cultural”. Toda vez que não nos importamos com aquilo que não nos atinge diretamente, ou que não fere nossos interesses imediatos, e que podemos, portanto, descartar, nós somos pequenos sociopatas.
Da mesma forma, nos acostumamos com cenas violentas na televisão, filme ou notícias. Sabemos de guerras e tratamentos absurdamente desumanos com todo tipo de ser e permanecemos indiferentes. Anestesiados, seguimos a vida. Pequenos sociopatas que formam o terreno fértil para os grandes, os que depois são estudados pelos psiquiatras. 

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

  1. Gostei muito do seu site, principalmente no que se refere ao alcoolismo. Como alcoólatra em recuperação, vejo que você tem experiência com o tema. Encontrei sua página em uma busca sobre como trabalhar o problema junto aos familiares. No entanto, os dois últimos parágrafos deste texto, sobre uma espécie de sociopatia 'difusa', me soaram um tanto ideológicos, diletantes. Como na religião em excesso, vi um dogmatismo metafísico. Discordâncias à parte, sua inteligência e realismo me trouxeram admiração e respeito, hoje. Cristiano.

    ResponderExcluir
  2. Quanto aos dois últimos parágrafos já li algo parecido com o pensamento de Adriana. Entendo o que foi dito. Texto excelente. Parabéns, Adriana.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…