Pular para o conteúdo principal

VIDAS PASSADAS

Que acreditemos ou não na sobrevivência da consciência após a morte, reencarnação e carma, elas têm seríssimas implicações para o nosso comportamento atual. 
Stanislav Grof

Temos muitas vidas e, portanto, muitos personagens dentro de nós. Não nascemos almas puras, sem história e sem conhecimentos e defeitos. Nascemos carregados de feridas e traumas, mas também de talentos adquiridos e aperfeiçoados em outras vidas, qualidades, desejos e necessidades.
Viemos ao mundo em meio a pessoas que têm a ver com a nossa história pregressa, com as nossas questões em aberto e que viemos para resolver. Nem sempre esses encontros são felizes. A vida é um uma experiência de aprendizagem, acredito que ninguém possa alegar que nasceu em um parque de diversão. Se estamos aqui, nesse lugar difícil com vários desafios e incógnitas, é porque temos que os superar, o que significa temos coisas a aprender, lições importantes para a nossa evolução – evolução da consciência. 
Os problemas que encontramos são desafios que nos levarão, uma vez resolvidos, ao aprendizado de alguma lição. Mas nunca é fácil, se fosse fácil não haveria lição a ser aprendida, já teria sido aprendida. Uma lição, portanto, é uma situação desafiadora que precisa ser compreendida para que possa ser resolvida e assim superada. A superação acontece porque integramos a experiência e a traduzimos em conhecimento. Nos tornamos maiores e crescemos além da situação, é como se a situação tivesse nos nutrido, nos tornando mais fortes e, portanto, maiores e ela ficou pequena, ficou para trás. Esse é o crescimento.
No que diz respeito à vida real humana, aprendizado significa amor, dor, relacionamentos, desapontamentos; significa emoções e sofrimento. Infelizmente, nós só aprendemos através da dor, raramente através do amor. Na dor nos conhecemos.
Muitos dos problemas mais profundos e difíceis de resolver que temos são oriundos de outras vidas. Às vezes basta uma ou duas sessões para desatar o nó que estava nos prendendo a uma situação dolorosa. Voltar ao passado pode dar medo porque nos coloca diante de traumas, mas precisamos lembrar que a realidade que causou os traumas já passou, não existe mais. Agora é hora de dissolver as emoções que ficaram presas, despertar do transe provocado pelo trauma, perceber que estamos livres. 
Esta experiência faz parte do processo de autoconhecimento e compreensão profunda do que está acontecendo. Toda vez que soluções práticas e imediatas não estão funcionando ou não duram é porque é preciso ir mais fundo. Esta é uma caminhada valiosíssima e interessantíssima, que requer tempo e dedicação, mas que recompensa. 
Ao curar uma vida, nós estamos também fazendo o que os nativos americanos chamam de “soul retrieval”, recuperação da alma. Na concepção deles, às vezes é preciso voltar ao passado para recuperar um pedaço da alma que ficou lá, presa nos eventos de outros tempos. E é bem isso que acontece. Recuperamos um pedaço de nós e com isso nos encontramos mais poderosos, mais inteiros e, portanto, mais fortes.
Os muitos personagens em nossa psique têm, cada um, seus talentos e conhecimentos. Ao integrá-los estaremos nos sentindo sempre mais “nós mesmos”, confortáveis em nossa pele, cientes de nosso caminho, sabendo para onde estamos indo e o que precisamos fazer. 
A sessão de vida passada pode ser realizada a qualquer momento e irá trazer somente o que precisa ser conhecido no momento de vida em que a pessoa está. Só o que faz sentido para o presente e vai ajudar a compreender uma situação atual irá emergir do inconsciente. O inconsciente é sábio. E o medo que todos sentem irá evaporar uma vez que a história começar a desenrolar.

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

  1. A terapia de vidas passadas e feita apenas presencialmente ou pode ser online com você?

    ResponderExcluir
  2. Eu faço online também, e obtive ótimos resultados.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada Adriana. Eu não vou me identificar agora, mas pretendo procura-la ainda este ano. Já estou com seu número no meu whatsapp. Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …