Pular para o conteúdo principal

AMOR, DESFEITA DO EGO

Numa sessão individual que complementava o trabalho terapêutico que o casal estava fazendo comigo, o marido chegou à conclusão de que amar é o que acabava com ele. Se não amasse não estaria com ela, já que havia tantas brigas, se não amasse estaria mais tranquilo. Pois é, sintetizei: amar é a desfeita do ego. E ele nunca mais apareceu. Não quis “perder”.

A dimensão psicológica do amor é uma função feminina porque como bem identificou Jung, o feminino é Eros, ou seja a função de relação. Relacionar-se quer dizer abrir-se ao outro. As mulheres têm exercido esse papel por milênios. A maternidade treina para esta abertura, mesmo uma mulher sem filhos tem em si a genética e os arquétipos prontos para serem ativados e agir em qualquer idade e situação. Está inscrito em nós. O homens também tem sua dose de feminino, quem mais quem menos (e isso nada tem a ver com homossexualidade), mas sua identidade se colocar em outro lugar, no pensamento, nas ideias (cultura, mentalidade, mente, racionalidade, ideais, preconceitos... etc.)

A abertura ao outro (amigos, familiares, filhos, marido, esposa, etc.) implica que devemos encontrar um equilíbrio entre as exigências naturais de nosso eu e a exigências naturais do eu do outro. O ego é uma dimensão psíquica em direta oposição ao amor pela simples razão que o ego está construído para se manter distinto e separado a despeito das invasões internas (emoções) e externas. O ego é como uma torre projetada para não cair. Quanto mais sólidas forem suas paredes mais firme será.

Mais grossas suas paredes mais inalcançável o que está dentro será. Dentro está a subjetividade. Um ego forte é um ego mais capacitado para determinadas tarefas, sobretudo em tempos de necessidade, guerra, luta, durezas e desafios que exigem vencer, muitas vezes a qualquer custa porque é “vida ou morte”. O ego forte é um ego conquistador no mundo material.

Um ego “fraco” é como uma torre com paredes “porosas”: troca informações com o ambiente mas também pode ser invadido facilmente. A porosidade permite abertura, portanto fertilização. Permite não só receber como dar, pois dentro da torre de marfim nada entra mas também nada sai. A troca favorece o crescimento pessoal e estimula a capacidade de discernimento, pois sem tudo que “entra” é alimento, há também “bactérias”. 

Ao se relacionar com o ambiente, o ego pode ficar fragilizado. Se deparará necessariamente também com equívocos e desavenças, poderá cair doente ou abatido. Enquanto isso o ego forte em sua torre de marfim conquista o mundo, insensível (ou assim parece) a tudo. Ele passa por cima dos “fracos”, despreza a sensibilidade porque esta “enfraquece”. Continuará assim até ter a sorte ou azar, depende do ponto de vista (se da evolução ou do próprio ego), de amar.

O amor rompe as separações. O amor invade. Toma o liderança. O amor coloca o ego numa posição de “fragilidade” porque obriga a sentir. O amor é uma desfeita do ego. Penetra  pelas paredes mais grossas e coloca o ego-egoísta com as costas contra suas paredes de marfim. E aí, meu cara? O amor obriga a aprender a abrir-se ao outro, a olhar para além do próprio umbigo.

De dentro de sua torre de marfim, o ego se “relacionava” no sentido utilitário: o outro existe para lhe ser útil. No amor, o outro é Sujeito. O outro tem valores, prioridades, necessidades. O outro é Outro, incontrolável e não manipulável.

Esta é a crise final. Consuma-se uma batalha fatal: vida ou morte do amor. Vida ou morte da torre de marfim. E o ego? Transformação ou estagnação.




Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

  1. Olá Adriana, e quando uma mulher não se encaixa nesse papel de relacionar-se
    , de abrir-se ao outro, de conseguir um equilíbrio entre o próprio eu e o eu dos outros ? E quando essa mulher cresceu sem a figura paterna (meu pai morreu eu tinha 5 anos), sem irmãos, teve que sobreviver para manter casa, mãe doente, desde os 14 anos e hoje tem 57 anos. E quando parece que todas as atitudes e comportamentos dessa mulher estão mais para os papéis "masculinos" que os "femininos". Parece que sou o tempo todo cobrada pelas posturas "femininas": sacrifício, colocar o outro à minha frente, eficiente no serviço doméstico, paciente, dócil, submissa. Até consigo exercer muitos desses papéis mas não o tempo todo e não é totalmente natural. Como você menciona no texto, sinto que minha identidade está muito mais ligada ao pensamento, às idéias à vida ou morte da sobrevivência. Patrícia.

    ResponderExcluir
  2. Tomo permissão para responder a partir do que entendo, Adriana. Patrícia, a função de relacionamento, de ligação com o outro é feminina, mas estamos falando do feminino arquetípico. Então há mulheres como a que você conhece que expressam mais características de um masculino arquetípico e homens que expressam mais características de um feminino arquetípico. Todas as pessoas possuem o masculino e o feminino dentro de si independentemente de seu sexo biológico. Se um pai tem um bebê que ainda mama e sua esposa morre ele poderá manifestar essa função de cuidar e nutrir o bebê mesmo que com fórmulas para lactantes. O corpo dele é masculino e ele não pode nutrir o bebê com o seu próprio corpo porque não tem seios, mas ainda assim estará exercendo uma função feminina em sentido arquetípico aí. Então não confundir masculino e feminino aqui com ser homem ou mulher. Embora exista a influência genética nas manisfestações dessas características, a cultura pressiona para que mulheres reduzam sua existência ao cuidado e ao relacionamento e ainda rebaixa e desvaloriza essas funções. Mulheres não se resumem às funções reprodutivas, de relacionamento ouou cuidado do outro. Muitas nem colocam isso como foco de suas vidas e elas são normais ainda assim.

    ResponderExcluir
  3. Olá, mulheres têm predominantemente a função psíquica feminina, assim como os homens têm predominantemente aquela masculina, o que é espelhado em nossas estrutura genética: não é que não temos testosterona. É que temos menos do que os homens, e vice-versa. No seu caso, você, mulher, foi colocada desde muito cedo a desenvolver uma função masculina protegendo e tutelando por sua mãe. Logo, algumas característica do feminino ficaram para trás, não tendo espaço para se desenvolver. Sua realidade não é o normal, certo? Nenhuma criança deveria se encontrar na situação de ter que cuidar de sua mãe... Mas assim foi com você. A questão é: você hoje se sente feliz com o que é? Está à vontade "em sua própria pele"? Se sim, tudo bem. Se não, há algo em si que precisa recuperar - o pedaço de si que ficou para trás. O que exatamente é para você, como irá se manifestar, só você vai saber e saberá quando o o trazer à tona.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …