Pular para o conteúdo principal

LIFE COACHING: O QUE É

Como as várias formas de psicoterapia, o life coachingé um forma de ajudar baseada em conversas. A diferença entre life coaching e psicoterapia é que esta última utiliza instrumentos de compreensão mais profundos e trabalha questões do passado da pessoa, enquanto o primeiro está focado em alcançar resultados no presente. Em ambos os casos, o método está baseado na conversa.
life coaching se centra na perspectiva de uma parceria entre profissional e cliente com o intuito de ajudar este a encontrar as respostas que está procurando em si mesmo. E, assim como os coachesesportivos, o life coach, além de ajudar a pessoa a desenvolver as capacidades das quais precisa nesse momento de sua vida, também ajuda a:
·     Estabelecer objetivos e trajetórias para alcançá-los
·     Aprender a lidar com o estresse e a pressão
·     Desenvolver e manter uma visão (para si, sua vida, seu trabalho)
·     Lidar com as crenças negativas que podem afetar a realização de seus projetos
·     Manter a motivação
·     Permanecer focados
·     Desenvolver constância e disciplina
Muitas vezes o life coachpode parecer como um treinador: ele não irá jogar em seu lugar mas está comprometido em ajudar que você ganhe. Irá por isso ser objetivo na avaliação de sua atuação, na definição de seus objetivos e métodos para alcança-los. 
Como se chega a isso? Por meio de conversas. Há muitos tipos de conversas, ou melhor, formas de conversas, dependendo de com quem, com qual postura interior, disposição mental e emocional, tempo e organização das ideias. 
O enfoque de uma conversa, o objetivo da mesma, a atitude com a qual se leva adiante, a perspicácia e elaboração de ideias fazem toda a diferença. E aí temos as “conversas poderosas”.
Uma conversa poderosa é uma conversa efetiva, que nos deixa com uma sensação de ter realizado algo importante, que clarear a mente, abre o caminho, acalma o espírito e favorece a ação.
Para este fim, uma conversa poderosa deve estar recheada de perguntas-chave. Estas são do tipo  que levam você a descobrir novos horizontes internos, novos pontos de vista antes ignorados e novas perspectivas de ação. Às vezes, basta mudar o ângulo para o mundo parece completamente diferente.
Desta forma, é possível criar planejamentos e construir o caminho, o passo-a-passo para a realização dos objetivos. A cada etapa haverá uma avaliação, uma reflexão e reavaliação para que seja possível redirecionar recursos, energias e tempo – caso seja necessário. Somente assim pode-se manter os pés no chão e definir a melhor trajetória e objetivos a cada momento pois a vida muda, as circunstâncias estão cheia de variáveis e é preciso saber dar conta delas.
O método preferencial para este resultado é o chamado “método socrático” de conversa que visa ajudar o cliente a encontrar as respostas dentro de si porque se supõe que ele já as tem em si. Ele só não está consciente do quanto sabe. 
Assim, fazer as perguntas certas leva a pessoa a dar-se conta do conhecimento que já possui, questionando o que está ocultando seu saber e sua capacidade de ação e transformação. 
Desta forma, a pessoa desenvolve auto-consciência. No lugar de receber respostas prontas, ela as encontra por si. A vantagem disso, se já não é evidente, é que  pois quando se diz às pessoas o que devem fazer elas não precisam pensar, o que leva à estagnação de sua consciência como também de sua motivação e criatividade. Perguntas poderosas são efetivas e esclarecedoras  e são as únicas que promovem consciência, criatividade e motivação.

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…