Pular para o conteúdo principal

NÃO SE DEIXE ENREDAR PELAS PALAVRAS

Uma famosíssima música italiana, cantada por Mina, chamava-se “Parole, parole” (“Palavras, palavras”): o amante canta palavras de amor às quais a cantora, Mina, responde, “palavras, palavras, palavras somente palavras... palavras de amor”.
Lembrei dessa música porque outro dia minha mãe veio me contar sobre a sua faxineira. A moça trabalha para ela, quinzenalmente, há 7 anos. Sempre lhe pareceu uma boa pessoa. Todas as vezes que ela ia limpar, minha mãe preparava um almoço especial, escutava os problemas dela, dava-lhe conselho, trazia presentes quando viajava e doava-lhe roupas e utensílios. Enfim, ótimo tratamento. Acontece que já tem um bom tempo que a moça começou a desmarcar a faxina, geralmente em cima da hora, e passar para a semana seguinte. Havia sempre algo acontecendo – que minha mãe compreendia e relevava. E aguardava, ou ela mesma limpava, caso estivesse para receber visitas ou a casa estava precisando urgente de uma faxina.
Até que o outro dia, minha mãe com a mão enfaixada, recebeu mais uma mensagem de texto da moça que disse estar indo ao hospital levar a prima grávida... 
Minha mãe se cansou e quer mudar de faxineira. Trocou umas mensagens com a moça a qual se desculpou e explicou a situação, disse que não é nada do que minha mãe pensa, foi isso e foi aquilo... Minha mãe foi ficando um pouco confusa, talvez com um pouco de sentimento de culpa, afinal a moça precisa de trabalho... Esta mandando-lhe “beijo no coração” e um “gosto muito da senhora”...
Minha mãe busca minha orientação e esta foi a seguinte: não se deixe enredar pelas palavras!
As pessoas falam muita coisa que não conseguem sustentar – mesmo quando desejam ser sinceras. E isso porque as pessoas geralmente não têm controle sobre si próprias, praticamente não sabem o que fazem. Isso significa que, mesmo querendo, muita gente simplesmente não consegue ser confiável. 
Quando encontram alguém muito bom, disponível, compreensível e não ameaçador, muita gente tende a relaxar... e a se aproveitar. O fato de não haver consequências leva uma pessoa que não tem autogoverno a se acomodar e por isso a dar espaço àquelas tendências, tentações e molezas que não teriam se tivessem que prestar conta do que fazem e por que fazem.
Quando as pessoas são imaturas, elas precisam ser cobradas e controladas porque sozinha não conseguem manter as promessas que elas mesmas fazem, não conseguem se comportar em sintonia com seus próprios sentimentos. Não têm autogoverno, por isso acabam por ceder, demorar, postergar. Não conseguem manter as prioridades, a seriedade e os compromissos. De última hora, outros interesses têm a melhor e extraviam os propósitos (mesmo positivos) da pessoa. Ou seja, repito: a pessoa não tem controle sobre si mesma.
Esta é uma expressão da falta de disciplina. Que também é falta de seriedade. Vocês podem observar que tem um tipo de pessoas que toda vez que recebe um tratamento muito favorável tendem a se aproveitar da situação. Não precisa ter maldade para fazer isso, basta ser imaturos. Há pessoas que não se dão conta do que fazem, não percebem a incongruência entre suas palavras e intenções e suas ações. E, infelizmente, para completar elas têm uma enorme dificuldade em reconhecer essa incongruência e como é da cultura brasileira negam o erro até a morte – logo não podem amadurecer e superar o impasse. No lugar de reconhecer a contradição interna, tentam mascará-la com palavras a fim apagar as conclusões às quais o seu comportamento leva. Elas tentam reconquistar a confiança perdida na base de palavras no lugar de mudar seu comportamento. E crescer. 

Adriana Tanese Nogueira
Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…