Pular para o conteúdo principal

A QUÍMICA DA FELICIDADE

Sonya Lyubomirsky, uma das pesquisadoras que mais contribuiu nesse campo, definiu a existência de dois mitos relacionados à felicidade:
  1. 1.  Muitas pessoas pensam que alcançar certos objetivos(trabalho, namorado, etc.) irá torná-las felizes mas não existe nenhum evento que possa nos garantir a felicidade para sempre. 
  2. 2.    Há quem acredite que não pode ser feliz, e assim reagem em modo desproporcional àquilo que acontece em suas vidas, pensando que nunca mais poderão ser felizes. 

Paul Dolan, autor de Happiness by Designdefine a felicidade como a soma de prazer e objetivo. O prazer corresponde a se sentir bem, a perceber sensações positivas, e está em oposição ao sofrimento. O objetivo está ligado ao sentimento de que nossas ações tenham um significado, portanto valham a pena.
As pesquisas de Lyubomirsky demonstraram que este tipo de felicidade pode ser forçada dentro da gente pelo simples fato que que ela já está presente em nós. Um experimento conduzido com gêmeos permitiu descobrir que 50% de nossa felicidade (ou infelicidade) é de tipo genético, mas 40% é determinada pela nossa mente e pensamentos.Os demais 10% está à mercê dos eventos externos.
Do ponto de vista químico, a felicidade é uma mistura de:
  • Dopamina: neurotransmissor produzido pelo cérebro que influencia nosso comportamento, humor e motivação.
  • Ocitocina: hormônio do amor, liberado durante o orgasmo, o parto, a amamentação que dá uma sensação de bem-estar.
  • Serotonina: neurotransmissor produzido pelo cérebro e o intestino que regula o humor e o apetite e é utilizado contra a depressão.
  • Endorfinas: substâncias produzidas pelo cérebro parecidas ao ópio que promovem euforia. 

Todos nós experimentamos emoções negativas e positivas. As primeiras, como o medo e a raiva, diminuem a atividade do coração e da mente e limitam o número de reações que o nosso cérebro toma em consideração quando for fazer uma escolha.
As emoções positivas aumentam a dopamina e a serotonina, tornando nosso cérebro mais criativo e aberto a novas experiências e capaz de ver as coisas com mais desprendimento, consequentemente aumentando sua capacidade de resolver problemas.
Action For Happinesssugere os seguintes passos para ser felizes:
·      Se lamente menos, aprecie mais
·      Olhe menos, faça mais
·      Julgue menos, aceite mais
·      Menos medos, mais tentativas
·      Fale menos, escute mais
·      Fique menos bravo, sorria mais
·      Consume menos, crie mais
·      Pegue menos, dê mais
·      Se preocupe menos, dance mais
·      Odeia menos, ame mais
Em The If Principle, Richard Wiseman explicou o funcionamento particular de nosso cérebro, em função do qual não sorrimos porque estamos felizes, mas estamos felizes porque sorrimos. Isto quer dizer que não é o humor a determinar o que fazemos, mas è o que fazemos a determinar o nosso estado de espírito. Para ser mais felizes, portanto, a primeira coisa que precisamos fazer è querer ser mais felizes e nos comportar como se já fôssemos mais felizes. Assim, é preciso começar a sorrir antes de ter um motivo. Tente por exemplo, manter os cantos da boca para cima até o fim desse artigo.
Querer ser feliz significa prestar atenção àquilo que gera emoções positivas, e procurar encontrar aspectos positivos em todas as coisas, incluindo aquelas que parecem negativas, e reviver com frequência as emoções positivas. Para que serviriam todas as fotos que tiramos se não para reviver os melhores momentos da nossa vida?  
Você continua sorrindo? O problema è que ser feliz não é fácil, é necessário um constante treinamento de nosso cérebro para aprender a ser feliz. 

Adriana Tanese Nogueira

Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…