Pular para o conteúdo principal

A CURA DE DOIS MIL ANOS ATRÁS PARA A ANSIEDADE

Sêneca (4 a.C. ca. – 65 d.C.), um grande filósofo estoico da Roma Antiga, dois mil anos analisava essa nossa tendência humana a nos concentrar nos aspectos negativos das situações e a nos preocupar excessivamente com as coisas. “Os animais selvagens – escreveu ele – fogem aos perigos que encontram na realidade e, uma vez salvos, não se preocupam mais com eles. Nós, ao contrário, nos atormentamos tanto com o passado como com o que está por vir. A nossa ‘benção’ acaba se tornando um prejuízo, pois a memória nos devolve a agonia do medo, e a nossa capacidade de previsão a provoca prematuramente.”
Com a presença maçante da internet em nossas vidas, estamos constantemente informados sobre tudo. E, infelizmente, as notícias ruins são as que mais chegam. Nosso pensamento é dicotômico, pois tudo se resume em “bom” ou “ruim” e assim catalogamos os eventos em duas grandes pilhas, sendo a segunda a mais alta e assustadora.
O negativo, de fato, chega de todo lado e abarca sobre inúmeros assuntos que trinta anos atrás estariam completamente fora do horizonte de nossos pensamentos e emoções. Sabendo do que acontece nos quatro cantos do mundo acabamos por desenvolver uma ansiedade difícil de administrar, porque muita absolutamente vaga e imprecisa, porque relacionada a situações e lugares que nada têm a ver conosco. Acabamos por sermos atropelados por informação demais, tendo já cada um de nós seus próprios problemas para resolver. 
Nosso estar atualizados acaba por significar estarmos cientes de inúmeras catástrofes acontecendo por todo lado – o que só aumenta a angústia diante do futuro e de possíveis perigosos para o nosso presente. E assim o nosso cotidiano é poluído por mais preocupações que não têm bases reais em nossa vida concreta, nos tirando energia e ânimo.
Sêneca, tendo observado os hábitos humanos muito antes da internet, nota que eles são frequentemente autodestrutivos e que estamos constantemente na expectativa de algum desastre. Ele dizia que “algumas coisas nos atormentam mais do que deveriam; outras nos atormentam antes de acontecer; e outras ainda não deveriam nos atormentar nunca. Temos o costume de exagerar a tristeza, imaginá-la ou antecipá-la tristeza.” A sugestão dele era: “Não seja infeliz antes que chegue a crise, pois é possível que os perigosos pelos quais sofre por antecipação nunca aconteçam.” 
É interessante que naquela época não existia social media, nem internet, nem TV ou jornais, mais certas características humana eram as mesmas. Precisamos, dizia ele, saber distinguir entre preocupações razoáveis e preocupações insensatas, e aprendermos a não desperdiçar nossa preciosa energia mental e emocional com as últimas. 
É provável que algum problema aconteça de verdade (pois sempre há alguma coisa, não é mesmo?), mas não é um fato presente. E além disso, reflete, Sêneca, “Quantas vezes não ocorreram imprevistos? Quantas vezes você esperou por algo que não aconteceu? Apesar de poder acontecer, para que serve gastar nossos recursos mentais num sofrimentos antes do tempo? Soframos quando os eventos ocorrem, enquanto isso vamos olhar para frente buscando melhorar as coisas. O que se ganha com isso? Tempo. Muitas outras coisas poderão acontecer, coisas que podem atrasar ou mesmo eliminar o problema. Inclusive, a sorte é volúvel, às vezes acontece, outras não. Enquanto isso, se concentre nas coisas boas.” 
Conclui o filósofo, “a verdadeira felicidade é aproveitar o presente sem os condicionamentos ansiosos do futuro. Não nos distrairmos com esperanças ou medos, mas permanecemos tranquilos, como quem não deseja nada. As maiores benções da humanidade estão dentro de nós, e são perfeitamente alcançáveis. Uma pessoa sabia está contente com a sua sorte, qualquer que seja, sem desejar o que não tem.” 

Adriana Tanese Nogueira - Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Referência: “L’antidoto di Seneca per calmare l’ansia ed eliminare le preoccupazioni”. In: 

http://www.rimedio-naturale.it/lantidoto-di-seneca-per-calmare-lansia-ed-eliminare-le-preoccupazioni.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …