Pular para o conteúdo principal

AS ALEGRIAS E TRISTEZAS DO CORPO

Você sabia que nem toda a alegria e a tristeza que você sente é psicológica? Têm aquelas que pertencem ao corpo como reflexo de como eleestá se sentido. Elas são o termômetro de seu bem-estar geral psico-físico. 
Nesses nossos tempos modernos, nos esquecemos que continuamos a ser animais apesar de inteligentes. Somos um organismo vivo que desenvolveu um cérebro mas ainda assim partes do mundo natural. E este animal que é o nosso corpo precisa de sua justa dose de atenção.
Nos tempos antigos, quando não se venerava um deus e acontecia uma tragédia natural ou humana, se dizia que o tal deus havia se vingado porque não havia sido cultuado o suficiente. Algo muito parecido acontece com o nosso corpo. Se ele não for tratado bem, ele se vinga.
Identificados como estamos com o mental, tratamos o corpo como um hardware que consertamos de qualquer jeito para “não perder tempo”. Acontece que esse hardware é vivo e se comunica através de sintomas... e de emoções.
Quando não devotamos a justa quantidade e qualidade de tempo e atenção ao nosso corpo ele responde negativamente e uma vez que o sintoma físico aparecer vai demorar muito tempo para ele desaparecer. Todo sintoma físico só emerge ao final de uma longa cadeia de percepções, sentimentos e sensações físicas ignoradas. A psicologia pode ajudar a despertar a mente adormecida para a voz interior e assim ensinar a pessoa a ouvir seu corpo e atender suas necessidades.
Quais são estas?
Basicamente três: exercício, alimentação e descanso.
Exercício
A vida é movimento. Crianças, como sabemos, conseguem brincar por horas e parecem ter uma bateria que não acaba mais. Idosos se mexem pouco, andam com dificuldade, se cansam facilmente tanto nas tarefas físicas como cognitivas. Ou seja: a vida é movimento e a morte é ausência de movimento. 
Se você tem mais energia física daquela que usa (fisicamente) seu corpo começará a sofrer. A escola de Medicina de Harvard publicou um artigo em 2013, atualizado em abril deste ano, pelo título O exercício é um tratamento natural para combater a depressão.[1]O que significa isso na prática? Que um corpo parado é um corpo deprimido e um corpo em movimento é indispensável para o bem-estar psicológico. 
Alimentação 
Desde a Antiguidade se reconhece a verdade de que “Somos o que comemos.” Nosso corpo está empobrecido de nutrientes de qualidade porque nossa comida está sempre mais empobrecida dos nutrientes da terra. Ela vem de terrenos explorados, entupidos de agentes tóxicos que servem para aumentar a produção agrícola. Os produtos animais vêm de animais enjaulados, cheios de dor, tratados de forma desumana. Suas carnes e leite estão cheias de adrenalina e dor. Ingerimos junto a muitas de nossas comidas uma série de ingredientes com nomes impronunciáveis.  
Descanso 
O descanso dos guerreiros que somos na travessia dessa jornada diária de trabalho, família e problemas é precário. As preocupações nos deixam sem sono com pensamentos repetitivos perturbadores. O tempo de descanso é curto demais e ficamos assim constantemente em dívida com o nosso sistema físico.
Como melhorar a nossa qualidade de vida?
1.     Se mexa! Lembra da música do Rei Leão?“I like to move it, move it”? Então: move it! Faça qualquer exercício ou atividade que faça seu corpo se sentir vivo.
2.     Desenvolva consciência alimentar. Coma produtos de qualidade, coma menos e como devagar. Tudo junto: qualidade, pouca quantidade e devagar. Faça disso um mantra.
3.     Crie rotinas relaxantes antes de ir dormir. Todas as noites. Faça algo que o acalme e não abra mão. 
Mente sã em corpo são. Não temo como fugir dessa lei.

Adriana Tanese Nogueira - Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…