Pular para o conteúdo principal

O BYPASS ESPIRITUAL


O bypass espiritual acontece quando a prática espiritual, no lugar de ajudar a integrar as limitações humanas, se torna um substituto para evitar enfrentar as questões psicológicas, relacionais ou concretas não resolvidas.
Agostino Famlonga

A religião, diz Ken Wilber, pensador e criador da Psicologia Integral, é “espiritualidade codificada”. Temos tantas religiões quantas formas de codificar a espiritualidade, dependendo do tempo histórico, da cultura e da realidade social dos grupos humanos que produzem uma certa religião.
Como sabemos, ter uma espiritualidade não quer dizer aderir a uma religião. Há muitos caminhos para viver e desenvolver a espiritualidade tanto dentro das religiões como fora delas. E hoje, mais do que no passado, é possível encontrarmos opções criativas e inovadoras para descobrir a dimensão da espiritualidade.
Entretanto, é preciso discernimento para que ao abraçar a espiritualidade não fujamos de nossa humanidade. Esta prática, muito difundida, é chamada de “Bypass Espiritual”.
Bypass em inglês quer dizer contornar, desviar, evitar, buscar uma atalho. Um bypas espiritual ocorre quando a espiritualidade é buscada para evitar alguma outra coisa. Ela é usada como um mecanismo de defesa psicológico para desviar das questões atuais, pessoais e eminentemente psicológicas que nos perturbam. O bypass espiritual inibe o processo de crescimento tanto psicológico como verdadeiramente espiritual.
Segundo o psicólogo Augusto Famlonga, tudo começa de uma sensação de carência e da busca por se sentir melhor e fazer algo para se sentir melhor. O passo seguinte é o de enveredar por um caminho interior de crescimento e de conscientização. Mas, nesta jornada a saída mais fácil é a de querer encontrar uma orientação de fora, que possa ter uma garantia soberana e absoluta, que possamos aplicar às nossas vidas sem necessariamente precisar investigar e explorar nossa interioridade. O caminho espiritual, assim, se perfila como o mais imediato.
Esta é uma dinâmica comum e sutil, que permeia o comportamento de muitas pessoas bem-intencionadas e que por isso é difícil de reconhecer. 
Podemos definir o bypass espiritual como uma transcendência prematura: um querer se elevar acima de nossa humanidade, de nossa psicologia e de nossas questões íntimas e complexas, antes de ter integrado e conhecido esta mesma realidade interior.
Portanto, o bypass espiritual corresponde ao uso, mais ou menos consciente, de ideias e práticas espirituais para evitar enfrentar os problemas psicológicos abertos, as questões emocionais não resolvidas, as feridas que não foram curadas e as etapas do desenvolvimento psico-social que não foram completadas.
Este mecanismo pode ser observado por todo canto e se apresenta de muitas formas. Como sempre, conhecer o funcionamento dessas dinâmicas é o primeiro passo para ir além e abrir o caminho da própria evolução.
A espiritualidade não pode ser reduzida a um “valium” metafísico-existencial. Espiritualidade não é para nos acalmar mas para nos impulsionar no caminho da evolução da consciência.
Nesse sentido precisamos:
1.     Evitar criar separações entre verdades consideradas absolutas e verdades relativas, vinculadas ao nosso momento concreto de vida.
2.     Evitar criar um ego que se sente o dono da razão e representante das verdades absolutas na terra, porque assim nos desumanizamos e perdemos contato com os demais humanos que formam nossa família terrena.
3.     Explorar nossos processos psicológicos com os meios adequados para que então possamos desenvolver uma espiritualidade autêntica.
A espiritualidade deve brotar de dentro para fora para que seja libertadora. Somente assim, ela resplandece como um sol interior contribuindo positivamente não só para nossa vida como para aquela dos que nos rodeiam, sem que precisamos sequer verbalizar nossas crenças.

-->
Adriana Tanese Nogueira - Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…