Pular para o conteúdo principal

O NOSSO MEDO MAIS PROFUNDO

Em meu consultório deparo-me com frequência em pessoas duvidando de si, se apequenando para não se sobressair, diminuindo sua verdade, abaixando sua voz e dando aos outros mais razão do que merecem. Muitas pessoas duvidam de si sem motivo real, são cautelosas e até medrosas em afirmar o que pensam ou sentem. Mesmo quando recebem confirmação de outrem, titubeiam. Ser mais parece muito incômodo. Melhor ser menos, ficar por baixo. Melhor sequer ter razão...
Este comportamento não reflete simplesmente uma baixa autoestima, mas uma atitude generalizada, aprendida socialmente em todos os âmbitos, que ensina que o “ser mais” é visto de maus olhos. As pessoas chegam a ter vergonha de si. Têm vergonha de enxergar quando os outros são cegos. Escondem sua percepção para se nivelar aos demais porque caso contrário elas poderiam não serem bem-vindas. O “ser mais” incomoda. 
Acabamos internalizando essa crença, que se adquire através de um indireto mas efetivo treinamento social e agimos conforme. Viver disfarçando nosso brilho, negando nosso valor, silenciando o que vemos – não faz bem, nem a nós nem aos outros. E atrasa a evolução humana.

O nosso medo mais profundo não é o de sermos inadequados.
O nosso medo mais profundo é o de sermos poderosos além de qualquer limite.
É a nossa luz, não a nossa sombra, que mais nos assusta.
Nos perguntamos: ‘Quem sou eu para ser tão brilhante, cheio de talentos, fabuloso?’
Na realidade, quem você é para não ser isso?
Somos filhos de Deus.
O nosso nos fazemos pequenos não serve ao mundo.
Não tem nada de iluminado em diminuir a si próprios de modo que os outros não se sintam inseguros perto de nós.
Todos nascemos para resplendecer, como fazem as crianças.
Nascemos para tornar manifesta a glória de Deus que está dentro de nós.
Não somente em alguns de nós, em cada um de nós.
E quando permitimos que nossa luz resplandeça inconscientemente damos aos outros a possibilidade de fazer o mesmo.
E quando nos libertamos dos nossos medos, a nossa presença  automaticamente liberta os outros.
(Marianne Williamson, poesia citada por Nelson Mandela em seu discurso de insediamento)[1]
A tendência ao conformismo não atua somente na direção de adotarmos hábitos e valores de um determinado grupo, que seja a família ou os amigos, como também em manter o mínimo comum denominador em termos de inteligência, sensibilidade, talentos, aspirações. Como o conceito expressa, se trata do “mínimo”. O nível é baixo e tudo o que está acima pode ser visto, e geralmente é visto, como um problema. 
Entretanto, quando tomamos coragem para assumir nosso brilho, como um farol, fazemos luz aos outros. Nossa luz verdadeira, a que nasce de dentro da nossa essência, inspira a dos outros. Somos não mais nossos talentos e aparência, somos nossa essência. E ao darmos-lhe vez e voz ajudamos, sem querer e sem qualquer esforço, os outros a serem também estrelas que resplandecem no céu. A vida é melhor iluminados por muitas estrelas, cada um com suas qualidades específicas .
Imaginou viver num mundo cheio de gente talentosa e feliz? A felicidade só existe mesmo quando a gente é plenamente, totalmente, amorosamente nós mesmos, quando nos entregamos à nossa essência e abraçamos nosso ser pelo que é, sem querermos ser outra coisa. Sem vergonhas e sem vaidades. Só ser. A serena felicidade que esta condição promove é o melhor estado possível de se viver.
Dê espaço para seu brilho. Acenda a sua luz. E deixe sua marca no mundo.

Adriana Tanese Nogueira - Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321


[1]Fonte: https://www.piubenessere.it/la-nostra-paura-piu-profonda/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…