Pular para o conteúdo principal

PSICOLOGIA DO ÓDIO: SAIBA COMO FUNCIONA

O que é o ódio? Do que é feito? Qual a diferença entre ódio e raiva? As respostas a estas e outras perguntas estão contidas no livro “Psychology of Hate” (2005) de Robert Sternberg, ex-presidente da Associação Americana de Psicologia (APA) e curador da revista Contemporary Psychology, que coordenou uma equipe de máximos expoentes no assunto. 
O ódio não é simplesmente uma emoção, mas um mix psicológico composto de três elementos (inclusive os mesmos do amor), a saber: intimidade (negada), paixão, empenho. Dependendo de como estas características de ativam e se cruzam surgem os diversos tipos de ódio e modos de odiar.
A.    Negação da intimidade:faz com que a pessoa mantenha uma distância daquilo que considera negativo. Este é o “ódio frio” que sente nojo dos outros e os afasta por serem diferentes e até repulsivos. 
B.    Paixão:ódio como raiva e/ou medo. Este é o “ódio quente” que, cheio de raiva, agride, ou que, cheio de medo, foge dos outros. 
C.     Empenho: desvalorização através do desprezo. É o “ódio gelado” que percebe os outros como seres inferiores. 
Cada uma dessas três componentes quando combinadas entre si produzem quatro distintas formas de odiar: 
1.     “Ódio fervente” que é nojo (A) mas também agressão (B): “morte aos gays”, “feminismo é coisa de lésbica ou prostituta”, “bando de idiotas, fiquem longe de mim”, etc. 
2.     “Ódio mascarado mas quase explosivo” que é nojo (A) mas também desprezo (C). Homicidas impiedosos e premeditados podem assumir esta forma: “um cara normal, reservado e bem educado...” dizem os vizinhos do rapaz que matou a namorada. 
3.     “Ódio pegando fogo” é a raiva (B) unida a desprezo visceral (C) que leva a difamar os outros e ao linchamento, físico ou virtual.
4.     “Ódio que queima” é o nojo (A) mais a raiva (B) mais o desprezo (C). Esta é a forma extrema de ódio, que leva a aniquilar o inimigo e a não ter paz até não tê-lo completamente esmagado. 
O oposto do ódio não é o amor mas a indiferença. Assim como o amor, o ódio amarra a pessoa ao objeto odiado, dando-lhe uma razão de ser. O ódio, como o amor, torna o indivíduo dependente do outro, pois seus pensamentos e ações giram em torno do outro. 
Fraqueza ou autoconfiança não são terreno para o surgimento do ódio. Este surge em quem tem força mas a percebe em perigo e está disposto a qualquer coisa para se vingar. 
E o ódio começa pelos olhos, ou melhor: via um certo modo de olhar. De fato, não é suficiente ter raiva para odiar, é preciso uma certa forma de olhar para o outro. Para poder odiá-lo é preciso vê-lo como diferente, maléfico e imoral.
Emerge a distinção entre “nós” e “eles”, mas distinguir ainda não é suficiente. O ódio aparece quando quem faz a distinção se percebe numa situação (interior ou social) que não lhe garante a satisfação de suas necessidades primárias. Nesse estado de precariedade, a distinção entre “nós” e “eles” coloca o “eles” no lugar psicológico de “menos inteligentes, preguiçosos, frágeis, no lugar moral de “maus, egoístas, rebeldes” e no lugar social de ameaça à segurança (“nossa”).
Quem chega a odiar:
1.     Fará uso de toda informação para formar a categoria do “nós”;
2.     A categorização é exagerada: todos têm as mesmas características (dentro ou fora do grupo); 
3.     Aplica-se o “dois pesos e duas medidas”: o mesmo comportamento é visto de forma diferente quando for “nosso” ou “deles”; 
4.     “Eles”, após terem sido desvalorizados, são considerados responsáveis de algum dano provocado, pois não se odeia quem não tem culpa. 


Adriana Tanese Nogueira - Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…