Pular para o conteúdo principal

AMOR PASSIONAL

Os especialistas em romance dizem que para um casamento feliz há de haver mais do que amor passional. Para uma relação duradoura, eles insistem, deve haver um genuíno gostar um do outro. O que, em meu livro, é uma boa definição para amizade.
Marilyn Monroe

A paixão é uma experiência interior, subjetiva e única do ser arrebatados por um sentimento de amor e desejo por outra pessoa. A paixão leva à entrega e à uma forma de “cegueira” que muita gente gosta de viver. A paixão envolve, toma e eletriza. A paixão dá vida e pode se tornar o sentido da vida.
A paixão entusiasma, no sentido originário da palavra: nos torna “cheios de deus”! Entusiasmo é uma palavra que vem do grego antigo e significa “cheio de deus”. Para os gregos havia muitos deuses, como sabemos. Quando, por assim dizer o deus da guerra, Ares, te tomava você se tornava um valente guerreiro sem medo, forte e audaz. Quando a deusa do amor, Afrodite, te tomava, charme, sensualidade e delicada sensibilidade emanavam de você e envolviam todos à sua volta.
Na paixão somos tomados pelo desejo, um desejo mais forte do eu e, muitas vezes, mais forte do que o bom senso. Mas, até que ponto amar é sensato? Amor é transcender os próprios limites, é por si só uma afronta ao poderio do ego. Quando amamos nos abrimos ao outro, saímos no modo de sobrevivência “antes eu e depois os outros”. Quando amamos apaixonadamente derrubamos todas as defesas, as nossas, e nos atiramos na direção do outro.
Uma hora, sabemos, teremos que fazer as contas com as consequências ou simplesmente com outros aspectos do real que não levamos em consideração no transe do amor passional. Recobramos a razão, voltamos à lucidez e precisamos então entender: O que foi que fizemos? Onde foi que nos metemos? 
Sobretudo, precisamos entender: O que significa isso na minha vida?
Falhar em passar por este processo de autoconhecimento corresponde a aprofundar o transe e se afundar na obsessão pelo outro. Saímos do amor e da paixão e escorregamos na patologia. A linha de separação é fina, é fácil perder-se. O amor passional é tão intenso quão importante e profunda é a mensagem que está carregando, a lição a ser aprendida. É possível que após o aprendizado os dois nada mais tenham a dizer um para o outro. Pode também acontecer que as chamas da paixão deem lugar para um amor gostoso e duradouro. Depende de quem está no “controle” da paixão, se quem está vivendo aquele amor passional tem maturidade para fazer dele as fundamentas de uma grande construção.
E quando isso não acontece? Vivemos enredados e atordoados. Vivemos perseguidos pela imagem do outro. Mesmo quando temos uma relação com este outro, nunca nos sentimos seguros. A paixão vira paranoia. O desejo impetuoso se faz obsessão. Toda pessoa obcecada está tomada por outro “deus”: pela neurose e loucura que pode levar a atos desumanos.
O desejo pelo outro é sempre um trampolim evolutivo para crescermos como indivíduos. O outro é uma peça importante do nosso quebra-cabeça. Se falharmos ao compreender isso ficaremos dependentes do outro e presos nele com repercussões que já nada têm a ver com o amor.
Amor passional é como uma ventania que vem para despertar algo em nós. Em nós através do outro. Não é nunca só o outro. O sujeito da história somos nós. Quando delegamos ao outro o comando perdemos o amor e escorregamos no delírio.

Adriana Tanese Nogueira - Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…