Pular para o conteúdo principal

SUAS EMOÇÕES SÃO AUTÊNTICAS?

A dimensão emocional do nosso ser é um elemento fundamental para o crescimento pessoal e professional. Sem ela nada consegue de fato se desenvolver, ou melhor, sem a dimensão emocional equilibrada e saudável nosso desenvolvimento será precário e falacioso.
Quando as emoções não são administradas corretamente, acontece um fenômeno interessante: as emoções estagnam. É como se elas quisessem ser integradas na consciência e batessem à porta. Bate uma vez, bate duas, você não atende... elas regridem para o inconsciente, ou seja, se tornam inconscientes... a você! Isso não significa que deixam de existir ou de exercer uma influência em sua vida, forma de viver e de agir. 
De fato, as emoções presas bloqueiam o crescimento. Como vemos isso? Pelo fato que, mesmo você se esforçando para ir adiante, aprender novos comportamentos e até modos de pensar, apesar de seu esforço... você acaba repetindo os mesmos erros ou caindo no mesmo tipo de situação e se sentindo da mesma forma... As situações podem mudar mas o padrão emocional permanece o mesmo. 
Na confusão que surge ao reprimir nossas emoções, o pior elemento, o que mais atrapalha é que no lugar da emoção autêntica, aparece outra, uma emoção secundária que serve para camuflar a original. As emoções de fato se estratificam. São várias as camadas de emoção, sendo que uma é a sombra da outra, uma esconde a outra... Vamos tapando o sol com a peneiro e criando emoções sempre mais deslavadas e anônimas para esconder e nos proteger das verdadeiras, intensas, reais e efetivas.
Qual é o problema com as emoções secundárias? O problema é que mesmo quando as acessamos e as trabalhamos, elas não liberam o potencial de energia que contêm. Por exemplo, você tem um trauma de infância (quem não tem?), quer se libertar dele porque percebeu que acaba repetindo os padrões negativos que aprendeu lá atrás. Você sabe que sentiu raiva do pai, ou da mãe ou do irmão. Você sabe que eles tinham suas razões, ou até que eram viciados, loucos – o que for. O fato é que o teu sintoma não vai desaparecer até você entrar em contato com os sentimentos verdadeiros, as emoções autênticas da criança em você que sofreu o trauma. De nada adianta você “entender”, “justificar”. Não adianta aos fins terapêuticos. Para a cura é preciso liberar a energia presa no trauma e o método para isso é acessar a emoção diretamente, sem construções mentais, politicamente corretas, amenizadoras e aguadas. Precisamos ir à fonte. Se você tem uma ferida no joelho, não adianta tratar da perna porque tocar o joelho dói mais, certo?
Outro exemplo de emoções secundárias que escondem aquelas autênticas é quando os atos de uma pessoa não condizem com suas palavras ou intenções. Você percebe que alguma coisa entra no caminho e pode observar esse fenômeno em você mesmo. Aí você se analisa e não encontra resposta porque tem certeza do que está sentindo, é aquilo mesmo que quer e assim adiante... Na verdade você não está enxergando algumas peças fundamentais do teu quebra-cabeça, sem as quais não poderá entender o que faz, por que faz e como faz. Por isso é importante receber um ponto de vista externo porque na nossa cabeça tendemos a dar as cartas do jeito que mais nos interessas. Resgatar emoções autênticas não só nos dá mais força e determinação, como aumenta nossa autoestima. Não tendo mais nada para controlar e esconder, somos mais livres e por isso mais felizes!

Adriana Tanese Nogueira - Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…