Pular para o conteúdo principal

DESAFIE A INSEGURANÇA

É a insegurança que está sempre te perseguindo e se colocando entre você e seus sonhos.
Vin Diesel


A insegurança é um das condições psicológicas mais comuns, nem sempre porém reconhecido. Se encontra entre pessoas de todas as idades e condição social e produz consequências negativas sobre a autoestima e o sentimento de aceitação de si, tanto nas relações interpessoais como afetivas e profissionais. 

A insegurança é um sentimento geral de desconforto ligada à percepção subjetiva de fragilidade, incompetência e incapacidade. Pode estar relacionada a um aspecto da pessoa ou mais de um e é uma das razões mais frequentes que leva uma pessoa a busca ajuda psicológica. 

Há diversos grau de insegurança, e há pessoas mais inseguras de outras. 

Podemos olhar para a insegurança de três diferentes perspectivas: a cognitiva, a emocional e a comportamental.

Do ponto de vista cognitivo, a insegurança se manifesta na forma de pensamentos negativos que temos a nosso respeito. Pensamentos do tipo: não sou capaz, sou fraco, sou inadequado, não consigo, vou errar, vai dar tudo errado e etc. Estes são pensamentos limitantes que produzem uma bola de neve interior fortalecendo sempre mais a insegurança e criando uma imagem de si negativa. Nascem geralmente de uma criação pouco encorajadora e validadora, de experiências negativas anteriores e da predisposição caraterial do próprio indivíduo. 

Do ponto de vista emocional, a insegurança se apresenta nas emoções da ansiedade, da incerteza e do medo, podendo chegar até ao terror paralisante. Emoções assim são difíceis de serem administrada e prejudicam profundamente a imagem que temos de nós. A pessoas que vive essas emoções com frequência as compreende como um sinal de uma verdadeira incapacidade interior e de perigo inevitável.

Enfim, do ponto de vista comportamental, a insegurança se materializa na atitude de evitar a situação que gera insegurança, o que leva geralmente a pessoa a não se expor, porque tem medo de não conseguir. Seu campo de ação vai assim diminuindo consideravelmente. Mais inseguros somos menos fazemos, menos ousamos e... evidentemente, menos conseguimos realizar!

Querendo superar a insegurança precisamos levar em consideração esses três pontos de vista que estão aqui separados só para facilitar a análise do fenômeno, pois eles de fato se apresentam todos juntos.

Em primeiro lugar, é preciso que nos questionemos: Aquilo que estou pensando faz sentido? É realmente assim? Devo realmente pedir a opinião de fulano ou beltrano antes de agir? Por que não confiar em mim? E se eu errar, vou tentar novamente! Questionar significa ganhar um distanciamento mental e observar a nossa forma de pensar com um certo criticismo que leva à objetividade. Queremos que o nosso pensar nos ajude, e não nos prejudique.

Em segundo lugar, as emoções: Estas são difíceis de serem controladas. Queremos administrá-las e contê-las não reprimi-las. Precisamos estar em contato com elas para transformá-las. Precisamos ter coragem para desafiar algumas delas e aguentar o tranco até conseguir fazer algo diferente, ousar romper com o círculo vicioso. 

E aí entra o terceiro ponto: o comportamento. Afinal, se temos medo, por exemplo, de nos expor, vencer esta insegurança só pode significar:

1. Não se deixar hipnotizar pelos pensamentos negativos;
2. Segurar as emoções (sem se sufocar) e fortalecer a coragem;
3. Agir!

Agir significa se arriscar. O inseguro não se arrisca. Mas se você não se arriscar não vai conseguir muita coisa na vida e assim irá confirmar que você “não é capaz”, “não sabe”, “não pode”. Nada disso é verdade. A única verdade é que você se deixou levar pelo canto da sereia que te diminui e fragiliza. Acorde! Mude o caminho. Ouse. Desafie a insegurança.


Adriana Tanese Nogueira - Psicanalista, filósofa, life coach, terapeuta transpessoal, interprete de sonhos, terapeuta Florais de Bach, autora, educadora perinatal, fundadora da ONG Amigas do Parto, do Instituto de ensino à distância Ser e Saber Consciente e do ConsciousnessBoca.com em Boca Raton, FL-USA. +1-561-3055321

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

POR QUE ESQUECEMOS DA INFÂNCIA

Adriana Tanese Nogueira

Em minha opinião, aceitamos com demasiada indiferença o fato da amnésia infantil - isto é, a perda das lembranças dos primeiros anos de vida - e deixamos de encará-lo como um estranho enigma. S. Freud, Sobre a psicopatologia da vida cotidiana

Um dos motivos que, com certeza, provocam o apagamento de grandes partes da infância é o estresse vivido naquela época. No conto de fada que os adultos gostam de tecer a respeito das crianças consta que a delas seria uma época dourada, sem preocupações, contas para pagar, tensões, trânsito e relacionamentos difíceis. Balufas. As crianças sofrem e podem sofrer muito, e muitas delas têm uma vida do cão (estou falando de crianças "normais" vindas de famílias “normais”).
O fato delas não terem a consciência e o conhecimento de um adulto só piora as coisas, porque elas não podem dar nome ao que as machuca. Isto as confunde, as deixando ainda mais assustadas. Para pior as coisas e aumentar a perplexidade e confusão da crianç…