Pular para o conteúdo principal

Livros

Para saber mais sobre os livros visite meu site:











Comentários

  1. Você tem algum livro sobre o texto do alcoolismo, o qual você fala exatamente tudo que a mulher passa com o marido que tem esse terrível vício? Preciso ter forças para enfrentar essa situação;

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem o livro mulheres que amam demais, aconselho urgentemente.

      Excluir
    2. Livro: Codependência Nunca Mais.

      Excluir
  2. Infelizmente, não. Dê uma pesquisada na internet.

    ResponderExcluir
  3. Li sua matéria que trata do assunto " simbiose no casamento", achei espetacular a forma que vc trata com muito carinho e clareza as personalidades do casal. Gostaria de saber se vc tem algum livro que aprofunda este estudo.

    ResponderExcluir
  4. Adriana, descobri a sua página, pesquisando sobre memória. Hoje meu filho completa 26 anos e esta semana eu me senti muito triste porque ele me revelou que não se lembra de nada, absolutamente nada sobre a infância dele. Isso me assustou muito. Ele, infelizmente atribui essa falta de lembranças a algum tipo de trauma. E talvez a possibilidade de abuso. Eu congelei com essa possibilidade. Eu tive uma gravidez muito tensa e de risco. Mas, tentei de todas as maneiras possíveis, propiciar a ele uma infância feliz. Meu filho nasceu com hipospadia (deformação congênita das vias urinárias, na qual a abertura da uretra se encontra na face inferior ou ventral do pênis)e foram anos de muita angústia e de muitas cirurgias. Mas, desde muito cedo além do apoio familiar, ele teve apoio psicológico. E recentemente ele voltou a fazer terapia. Eu e o pai tivemos momentos de felicidade e infelicidade no casamento. Que acabou há um pouco mais que 4 anos, por um episódio muito infeliz, uma pessoa que veio aqui em casa, humilhar e agredir eu e o meu filho, acusando o meu marido de ser amante da mulher dele. E era tudo verdade. Meu filho sofreu muito, porque o pai era o ídolo dele. Meu filho é um menino bom, educado, gentil, amoroso.
    E muito esforçado. Ele se formou em 2015, mas até agora não conseguiu passar no exame da OAB, por pura ansiedade. Ele fica nervoso, da última vez, errou no gabarito, marcando as questões a partir da segunda. Ele é muito estudioso e conhece muito da área que escolheu. Mas, ele não consegue praticar tudo o que sabe. Eu moro há 30 anos longe da minha família, que também é disfuncional, pai alcoolátra, mãe submissa... e temo ter passado para meu filho experiências não tão boas de vida. Praticamente somos eu e ele. O pai dele é muito crítico e exigente. Eu tento separar as emoções, fortalecendo a relação deles, mas nossa, minha e do pai dele, relação que nunca foi uma ''maravilha''ficou muito abalada com tudo que aconteceu, eu e o meu filho não temos apoio nem da minha família nem da família do pai dele. Por favor, você pode me ajudar a ajudar o meu filho? Estou desesperada. Sou muito grata desde já. Deus em sua infinita bondade abençoe você e a sua família. Abraço carinhoso.

    ResponderExcluir
  5. Olá, certamente posso ajudar a você e a seu filho. Vc quer marcar uma conversa comigo? Me escreva: atnhumanize@gmail.com.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O que fazer com um marido alcóolatra?

NOTA: Pessoal, estou com dificuldade em responder às suas perguntas porque a página está ficando "longa" demais, por isso criei esta outra página (O que fazer com um marido alcoólatra 2) para conversarmos por lá, ok? O Blogger está "em crise": comentários demais! O problema é graaaande, certo? Abraço, A.


"Bom dia Adriana,
Gostaria muito de um conselho, se é que isso é possível.
Em uma das minhas inúmeras buscas na internet por uma luz, um consolo para essa minha vida miserável de esposa de alcoólatra, estava lendo um texto seu "O que fazer com um pai alcoólatra" e resolvi lhe escrever.
Acho que eu e meus filhos é que estamos no fundo do poço. Meu casamento de 19 anos, um casal de filhos e a cada dia que passa fico mais perdida e desiludida. Já perdi a esperança de um dia viver em paz com meus filhos. Tenho aguentado tudo isso por eles. Meu filho mais novo (12 anos) gosta muito do pai e acho que não suportaria se eu o abandonasse. Fico nesse dilema: será q…

O que fazer com um pai alcóolatra

Adriana Tanese Nogueira 
Um leitor, após ler meu texto "Obsessores: quem como e por quê" me escreveu pedindo aconselhamento a respeito de seu pai. Infelizmente, o email acabou sendo deletado pelo sistema e respondarei a S.L. por aqui.
Em primeiro lugar, alcoolismo é alcoolismo mesmo quando a crise, resultado da bebida, acontece uma vez por ano. Que a pessoa beba todos os dias ou de vez em quando (como muitos gostam de chamar com um eufemismo, "socialmente") não importa. Deve-se atentar para o desfecho. O não-alcoólatra quando bebe muito passa mal, o alcoólatra tem uma crise violenta, exagerada, "possessa".

Alcoólatras agridem verbalmente as pessoas que mais amam, quanto mais próxima for a pessoa mais esta sofrerá. A agressão pode ser física ou verbal, mas é sempre de nível extremamente baixo. Parece que o objetivo do alcoólatra é acabar com o outro, frantumar sua auto-estima, afogá-lo na culpa, rasgar-lhe qualquer dignidade. Após ter vomitado violentemente t…

Manipuladores

Adriana Tanese Nogueira
Há dois tipos de manipuladores: os maquiavélicos e os “bonzinhos”. Os primeiros sabem o que estão fazendo, os segundos “não sabem que sabem”. em ambas as categorias há uma gradação de consciência que vai da nível mais consciente (a pessoa está perfeitamente desperta) para aquele parcialmente ou totalmente “distraído”, que é de quem faz “sem perceber”.
O maquiavélico em sentido estreito é aquele indivíduo que, determinado em alcançar sua meta, toma as medidas necessárias mesmo que tenha que enganar o outro, porque, como ensinou Machiavel, “o fim justifica os meios”. O manipulador maquiavélico é esperto,  oportunista, calculador e rápido no agir. Como, porém, nem todo mundo é dotado da inteligência afiada de um Maquiavel, mas não deixa de ser oportunista, há muitas pessoas que manipulam os outros e as situações tentando, ao mesmo tempo, se escondendo de si mesmos. Se trata de uma complicada acrobacia mental que leva à neurose. É como se uma mão “não soubesse” o que …